REUTERS/Matt Mills McKnight
REUTERS/Matt Mills McKnight

Boeing obtém sinal verde para vender aviões para companhia aérea iraniana

Companhia, que já tem acordo provisório com a Iranian Air, poderá vender as aeronaves após a suspensão das sanções

O Estado de S.Paulo

21 de setembro de 2016 | 21h13

WASHINGTON - A Boeing anunciou nesta quarta-feira que recebeu a aprovação Departamento do Tesouro dos EUA para vender aviões novos ao Irã após a suspensão das sanções, algo inédito desde a Revolução Islâmica de 1979. O anúncio foi feito pouco após seu grande rival, a Airbus, também receber o sinal verde do governo de Washington para vender para o Irã. A companhia europeia necessitava da aprovação dos EUA, pois muitas peças de seus aviões são americanas. 

Após o acordo para limitar o programa nuclear do Irã, e o subsequente levantamento das sanções comerciais, a Boeing poderá negociar com o regime iraniano, após quase 40 anos.

Em junho, a companhia Iran Air fez um pedido de compra de aviões estimado em US$ 25 bilhões à companhia americana. As duas empresas assinaram um protocolo à espera da decisão final das autoridades americanas.

"Recebemos uma licença e continuamos as negociações com a Iran Air", confirmou à AFP o porta-voz do grupo de Chicago, Marc Sklar. O acordo com a Iran Air se refere a 80 aeronaves, incluindo os modelos 737 MAX, 300ER e 900. Se a Boeing quiser vender mais de 80 aviões novos para a Iran Air, terá de solicitar outra licença, indicou à AFP uma fonte ligada ao caso. A quantidade de aeronaves vendidas poderá variar até o fim do contrato, já que as companhias aéreas muitas vezes obtêm fortes descontos por parte das fabricantes.

A negociação se viu ameaçada em julho, quando a Câmara de Representantes dos EUA adotou uma série de medidas proibindo as grandes instituições financeiras, principalmente americanas, de conceder linhas de crédito para qualquer compra de aviões comerciais que pudessem ser usados com fins militares. Para entrar em vigor, essas medidas teriam de ser aprovadas pelo conjunto do Congresso.

A Airbus, grande concorrente europeu da Boeing, também recebeu nesta quarta-feira uma autorização de Washington para concluir a venda de 118 aeronaves para Teerã. Os dois grupos puderam começar a negociar com o Irã graças ao acordo sobre a redução do programa nuclear iraniano, alcançado em 2015 com as grandes potências ocidentais, que amenizou o embargo econômico contra a República Islâmica./ AFP E REUTERS

Tudo o que sabemos sobre:
BoeingIrãAirbusWashingtonChicagoMAX

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.