Bogotá e Quito discutem reaproximação diplomática

Em um novo passo em direção à plena normalização das relações diplomáticas entre Colômbia e Equador, a chanceler colombiana, Maria Angela Holguín, e seu congênere equatoriano, Ricardo Patiño, se reuniram hoje no povoado colombiano de Ipiales, fronteira com o país vizinho.

AE-AP, Agência Estado

26 de agosto de 2010 | 17h12

"O encontro bilateral tem a ver com a agenda ''positiva'', como a qualificou o chanceler Patiño, na qual serão abordados temas de interesse e desenvolvimento da fronteira entre ambos os países", informou a chancelaria equatoriana.

A reunião de Patiño e Holguín foi a segunda entre os dois chanceleres desde que o novo presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, assumiu o cargo em 7 de agosto. Um dia após a posse de Santos, Holguín teve uma reunião com Patiño na sede do Ministério do Exterior da Colômbia, onde os dois discutiram a necessidade de encarar as necessidades fronteiriças entre os países, que possui mais de 500 quilômetros de extensão e é uma região com várias carências. Faltam serviços e infraestrutura no local.

As conversações com o Equador "são passos que estamos dando, obviamente com o objetivo do restabelecimento total das relações diplomáticas", disse Holguín. "É o mesmo que estamos fazendo com a Venezuela: os passos precisam ser firmes e dados com muito cuidado, para que sejam duradouros'', disse a chanceler.

Ponte

A chancelaria colombiana disse que os ministros discutirão a ampliação da ponte rodoviária fronteiriça em Ipiales, assim como a prestação de serviços públicos como fornecimento de água encanada e assistência médica à população local. O Equador também deseja discutir a questão dos 50 mil refugiados colombianos que vivem em seu território.

Em março de 2008, forças colombianas cruzaram o rio Putumayo e desfecharam um ataque militar a um acampamento da guerrilha das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC) em território equatoriano, matando mais de 20 guerrilheiros, incluído Raúl Reyes, um chefe do grupo.

O Equador protestou e rompeu relações diplomáticas com o vizinho. Em novembro de 2009, Quito e Bogotá começaram a se reaproximar e designaram encarregados de negócios para as respectivas representações nos países vizinhos. Formalmente, os dois países ainda não restabeleceram relações diplomáticas plenas.

Tudo o que sabemos sobre:
crisediplomáticaColômbiaEquador

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.