Ernesto Mastrascusa / EFE
Ernesto Mastrascusa / EFE

Bogotá publica novo acordo e busca apoio de população

A publicação do documento na íntegra foi uma mudança pedida pela guerrilha. O governo inicialmente publicaria apenas trechos do novo pacto

O Estado de S. Paulo

14 de novembro de 2016 | 18h51

BOGOTÁ - O governo da Colômbia publicou nesta segunda-feira, 14, o acordo de paz revisado com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) na tentativa de obter apoio para encerrar uma guerra de 52 anos, uma vez que a versão original foi rejeitada em um plebiscito no mês passado após críticas de que ele favorecia muito os rebeldes.

A publicação do documento na íntegra foi uma mudança pedida pela guerrilha. O governo inicialmente publicaria apenas trechos do novo pacto. O documento ampliado e altamente técnico de 310 páginas faz algumas modificações no texto inicial, como esclarecer os direitos à propriedade privada e detalhar como os guerrilheiros serão confinados em áreas rurais por crimes durante a guerra.

Bogotá e as Farc, que negociam em Havana há mais de quatro anos, disseram que o novo documento incorporou propostas da oposição, de líderes religiosos e políticos, para pôr fim ao conflito que matou mais de 220 mil pessoas e deslocou milhões.

Mudanças substanciais, como impor penas de prisão para líderes das Farc e lhes barrar o exercício de cargos públicos, não foram incluídas – o que deve irritar o senador e ex-presidente colombiano Álvaro Uribe, que liderou a oposição ao pacto original. 

No dia em que o novo acordo foi fechado, Uribe pediu ao presidente Juan Manuel Santos que submetesse o novo texto aos porta-vozes do ‘não’ ao pacto original antes de buscar o respaldo da população. 

Santos, que recebeu o Nobel da Paz por seu empenho em acabar com a guerra, espera unir a nação com o novo acordo depois de o processo de paz ser ameaçado por sua rejeição na consutla popular de 2 de outubro. / REUTERS 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.