stephane Yas/AFP
stephane Yas/AFP

Boko Haram ataca cidade de Níger perto da fronteira com Nigéria

Líderes da região se reúnem na capital de Camarões para planejar resposta militar coordenada contra extremistas islâmicos

O Estado de S. Paulo

06 de fevereiro de 2015 | 11h17

Combatentes do grupo extremista nigeriano Boko Haram atacaram uma cidade de fronteira no território do Níger, o que marca do segundo país vizinho atacado pelos insurgentes nos últimos dias.

A intensificação da violência acontece no momento em que líderes regionais reúnem-se, pelo segundo dia, na capital de Camarões para concluir os planos para uma resposta militar coordenada contra o grupo terrorista, que matou 10 mil pessoas no último ano.

Na quarta e quinta-feira, combatentes do Boko Haram atacaram uma cidade em território camaronês, matando 100 pessoas e deixando cerca de 500 feridas, de acordo com autoridades do país.

Abba Hassan, farmacêutico da cidade fronteiriça de Bosso, no Níger, disse que combatentes do grupo extremista atacaram a comunidade na manhã desta sexta-feira e que soldados travaram confronto com eles por uma hora, o que fez com que os integrantes do Boko Haram fugissem, deixando as ruas desertas.

"Aviões do Níger e do Chade fazem a vigilância da cidade no momento e tropas em solo vasculham as ruas", disse Hassan à Associated Press por telefone.

A região do Níger onde os ataques aconteceram é uma área para onde refugiados se dirigiram aos milhares, em busca de locais seguros contra os ataques do Boko Haram.

Depois de terem atacado várias cidades nigerianas, centena de combatentes do grupo realizaram uma ofensiva contra Fotokol, em Camarões, no início desta semana, destruindo mesquitas e igrejas e advertindo os vizinhos da Nigéria que não se unam à batalha contra os insurgentes.

Na semana, líderes de países que compõem a União Africana, autorizaram a formação de uma força de 7.500 homens para lutar contra os extremistas. / AP

Tudo o que sabemos sobre:
NígerBoko HaramataqueNigéria

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.