Boko Haram expande controle sobre norte da Nigéria

O grupo extremista Boko Haram expandiu seu controle em uma pequena cidade no norte da Nigéria, de acordo com seus moradores, em um sinal de que a campanha contra os militantes tem falhado em colocar a situação a favor do Exército do país.

Estadão Conteúdo

12 de setembro de 2014 | 18h01

Na semana em que o Boko Haram chegou a Bama, segunda maior cidade da Nigéria, no estado de Borno, o grupo começou a recrutar jovens à força, além de matar moradores identificados como contrários à organização, informou Alhaji Usman Jidda Shuwa, chefe do Comitê do Estado de Borno de Pessoas Internamente Deslocadas.

A situação de Bama descrita por ele, apoiada por outros refugiados que recentemente deixaram a cidade, contradiz alegações do Exército nigeriano, que diz que tropas apoiadas por atiradores em helicópteros libertaram a cidade do controle do Boko Haram em 2 de setembro.

Moradores que deixaram Bama para a cidade próxima de Maiduguri nos últimos dias disseram que o esforço não foi suficiente para expulsar os insurgentes do grupo extremista, que andam livremente nas ruas do norte da Nigéria, de acordo com os nigerianos. Até o líder municipal de Bama, Alhaji Kyari Ibn Ibrahim Elkenemi, está acampado em Maiduguri. A cidade abriga também 12 mil refugiados de Bama, segundo a Agência Nacional de Gerenciamento de Emergência da Nigéria.

Pequenas cidades e vilarejos foram tomados no estado de Borno, que tem o tamanho e a população da Irlanda. Nesta sexta-feira, o Boko Haram começou a atacar a cidade de Konduga, a cerca de 40 km de Bama, informaram dois vigilantes locais. O resultado desse episódio ainda não está claro.

Em resposta, o governo da Nigéria aumentou a campanha de bombardeio e comprou novos equipamentos para Força Aérea. O congresso nigeriano está considerando conceder um empréstimo de US$ 1 bilhão para o Exército, sendo que grande parte se destinaria a novas aquisições. Fonte: Dow Jones News.

Mais conteúdo sobre:
NigériaBoko Haram

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.