Bolívia coloca militares nas ruas para combater crime

Cerca de 2,3 mil homens irão patrulhar as quatro principais cidades do país para tentar conter o aumento da violência.

BBC Brasil, BBC

18 de março de 2012 | 08h54

O governo boliviano colocou cerca de 3,2 mil militares nas ruas das quatro principais cidades do país, em uma tentativa de conter o aumento da violência.

A decisão foi tomada depois que moradores da cidade andina de El Alto protestaram durante vários dias contra a insegurança.

O protesto foi motivado pelo assasssinato de dois jornalistas, estrangulados em um ônibus quando se dirigiam ao trabalho.

O presidente boliviano, Evo Morales, reconheceu que a polícia não é suficiente para combater o crescente número de crimes nas ruas.

Segundo o correspondente da BBC na Bolívia, Mattia Cabitza, em El Alto e na principal cidade boliviana, La Paz, as patrulhas policiais são escassas.

Além disso, os policiais costuma ser mal pagos e frequentemente são envolvidos em acusações de corrupção.

'Cidade Segura'

O novo plano foi batizado de "Cidade Segura" e incluirá patrulhas diurnas e noturnas.

Além de El Alto e La Paz, os militares também serão colocados nas ruas de Santa Cruz e Cochabamba.

Segundo o governo, depois de 90 dias a situação de segurança nessas cidades será reavaliada.

Críticos da medida, no entanto, afirmam que colocar militares não ruas não irá resolver o aumento da violência na Bolívia, que deveria ser enfrentado com medidas para reduzir a pobreza e o desemprego no país. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.