ROEL ROZENBURG/AFP
ROEL ROZENBURG/AFP

Bolívia confirma asilo do Brasil a senador opositor

Roger Pinto é acusado de violação aos direitos humanos e corrupção

Efe,

14 de junho de 2012 | 19h40

LA PAZ - O governo da Bolívia informou nesta quinta-feira, 14, ter recebido um comunicado oficial do Brasil sobre o asilo concedido ao senador opositor Roger Pinto, mas acredita que a medida possa ser revogada pela documentação judicial enviada a Brasília sobre o legislador abrigado há duas semanas na embaixada brasileira em La Paz.

Veja também:

link Brasil está 'equivocado' ao conceder asilo a senador boliviano, diz Morales

link Governo brasileiro concede asilo a senador boliviano

O ministro das Relações Exteriores da Bolívia, David Choquehuanca, disse nesta quinta-feira aos jornalistas que recebeu a comunicação do governo Dilma Rousseff e responderá por vias oficiais, após vários dias alegando que estava à espera de uma confirmação brasileira sobre a medida.

O chanceler boliviano assinalou que, quando Pinto entrou na embaixada brasileira, entrou em contato com o ministro das Relações Exteriores do Brasil, Antonio Patriota, e lhe enviou toda a documentação sobre os processos que o senador enfrenta para que o país tome a decisão "mais correta possível".

Choquehuanca também ressaltou várias vezes que "tudo é possível" quando perguntado se acredita que o Brasil possa voltar atrás e revogar o asilo ao parlamentar de direita.

O ministro boliviano lembrou que, em 2006, o governo de La Paz revogou o asilo concedido a dois paraguaios após receber informações oficiais de Assunção sobre sua suposta participação no sequestro e assassinato de Cecilia, filha do ex-presidente paraguaio Raúl Cubas.

Segundo a argumentação de Choquehuanca, há normas internacionais sobre o merecimento de asilo e o Brasil deve avaliar a documentação e os pedidos na Bolívia para que Pinto não obtenha o benefício.

O presidente boliviano, Evo Morales, disse na quarta-feira que seria um equívoco se o Brasil confirmasse o asilo. Um dia antes, o vice-presidente boliviano, Álvaro García Linera, considerou a decisão como insensata porque, segundo ele, Pinto deve responder na Justiça por assassinato e desvio de dinheiro, entre outras acusações.

Senador pelo departamento de Pando, Pinto se queixou que enfrenta "mais de 20 processos penais", todos abertos por autoridades oficiais - "e cada um mais descabelado que o outro".

Setores da oposição e organismos de direitos humanos acusam Morales de manipular a maioria dos juízes e promotores, o que impede julgamentos justos e imparciais e levou dezenas de políticos e empresários a buscarem asilo ou refúgio no Brasil, Estados Unidos, Espanha, Paraguai e Peru.

Morales, por sua vez, alega que "não há perseguição política" na Bolívia, mas "criminosos políticos", e argumenta que "quem quer fugir para outro país sabe que cometeu crimes".

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.