Bolívia corre risco de violência, diz chanceler

O governo boliviano advertiu o Conselho Permanente da Organização dos Estados Americanos (OEA), por meio do chanceler David Choquehuanca, para o risco de enfrentamentos no Departamento de Santa Cruz, caso seja realizado o referendo de autonomia da região, previsto para domingo.O representante boliviano disse que existe uma "conspiração" contra o governo do presidente Evo Morales. Choquehuanca pediu que a OEA volte a exigir o respeito "à institucionalidade e às leis" no país. "Caso aconteça a consulta de autonomia em Santa Cruz, corremos o risco de enfrentamentos entre bolivianos, entre irmãos", disse. O governo teme choques de integrantes das centrais sindicais (pró-Evo) e autonomistas de Santa Cruz. Segundo Choquehuanca, aqueles que pretendem bloquear a negociação devem "assumir as conseqüências de um possível cenário de violência". Ontem à tarde, o secretário para as Autonomias de Santa Cruz, Carlos Dabdoub, disse que o departamento aceita a proposta de diálogo feita pela OEA para prevenir os distúrbios no país, mas não irá cancelar o referendo do dia 4. Em resposta, o secretário de Assuntos Políticos da OEA, Dante Caputo, disse que esperava "data, hora e lugar" para um encontro. A OEA já advertiu para o risco de derramamento de sangue no país. Ainda ontem, o presidente do Senado, Oscar Ortiz (de oposição a Evo), pediu no México que países latino-americanos enviem emissários para intermediar o diálogo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.