Bolívia envia tropas para proteger instalações de gás

O governo boliviano ordenou o envio de tropas para os Departamentos (Estados) do leste do país para proteger as instalações de petróleo e gás tomadas pelos opositores, que estão cada vez mais violentos. Hoje, um trecho de um gasoduto explodiu no Departamento de Tarija, perto da fronteira com o Paraguai e a Argentina, segundo o governo da Bolívia, "em um atentado terrorista". Nos últimos dias, manifestantes tomaram escritórios públicos e bloquearam rodovias na Bolívia em protesto contra o presidente do país, Evo Morales.O presidente da estatal Yacimientos Petrolíferos Fiscales Bolivianos (YPFB), Santos Ramírez, já disse que a exportação de gás natural ao Brasil será reduzida em três milhões de metros cúbicos, ou 10% dos atuais 30 milhões exportados por dia. A Bolívia fornece atualmente 50% do gás natural consumido pelo Brasil e o gás boliviano tem uso intensivo em São Paulo, nas indústrias e nas residências. Os opositores também teriam cortado parcialmente o fornecimento de gás para a Argentina. A informação partiu da empresa Chaco, que opera campos no departamento de Chuquisaca, mais ao norte. "Nós tivemos que interromper as operações em Vuelta Grande", disse Juan Callaú, gerente de relações institucionais da Chaco. O gás extraído no campo de Vuelta Grande é exportado à Argentina e ao Brasil.

AE-AP, Agencia Estado

10 de setembro de 2008 | 17h02

Tudo o que sabemos sobre:
criseBolíviaBrasilgásexplosão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.