Bolívia estuda comprar da Rússia avião para presidência

A empresa russa Ilyushin Finance Company vai enviar uma missão à Bolívia na próxima semana para negociar aspectos técnicos e financeiros da fabricação de um avião Antonov, destinado ao uso do presidente Evo Morales. A informação foi divulgada hoje pelo embaixador russo em La Paz, Leonid Golubev.

AE-AP, Agencia Estado

11 de dezembro de 2009 | 16h27

A missão pretende avançar na negociação de parâmetros técnicos e financeiros com representantes do governo, disse Golubev durante coletiva de imprensa. Se as negociações avançarem, pode ser fixada uma data para a assinatura do contrato, disse o diplomata. A fabricante russa vai precisar de 14 meses para construir a aeronave de acordo com as exigências do governo boliviano.

O Antonov 148 vai custar US$ 30 milhões e será adquirido com um crédito de US$ 100 milhões cedido pela Rússia ao governo Morales. O atual avião presidencial boliviano é pequeno e tem apresentado problemas técnicos. Os demais US$ 70 milhões serão destinados à compra de equipamentos militares de logística e para a reposição de armamentos obsoletos, informou Golubev.

O Exército boliviano já apresentou seu requerimento e uma equipe integrada por militares dos dois países estuda os detalhes técnicos, acrescentou o diplomata. Golubev disse que o equipamento inclui radares para a vigilância do espaço aéreo. A Ilyushin Finance Company também antecipou sua intenção de instalar na Bolívia um centro para a manutenção de aviões russos no Cone Sul.

Golubev leu uma carta de felicitações do presidente russo Dmitri Medvedev a seu colega Evo Moraes pela vitória eleitoral conquistada no domingo. Medvedev chama Evo Morales de "querido companheiro Evo" e afirma que sua reeleição, com pouco mais de 60% dos votos, "é uma confirmação da confiança nas mudanças e transformações" feitas pelo presidente boliviano.

Tudo o que sabemos sobre:
BolíviaRússiaaviãocompra

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.