Bolívia expulsará brasileiros donos de terras ilegais

Entre 30 e 40 fazendeiros brasileiros que possuem terras ilegais na Bolívia serão desalojados de suas posses, afirmou nesta sexta-feira o vice-ministro de Terras do país, Alejandro Almaraz, em entrevista coletiva com correspondentes. Almaraz disse que empresários brasileiros dedicados à agricultura ou à exploração da floresta possuem grandes extensões de terras nos departamentos (estados) de Pando, no norte, e em Santa Cruz, no leste, ambos fronteiriços com o Brasil.Na quarta-feira, a Câmara dos Deputados boliviana aprovou um projeto de lei de reforma agrária que prevê a recuperação de terras consideradas improdutivas e sua distribuição para camponeses pobres. Sem votos suficientes no Senado para aprovar a lei, o presidente da Bolívia, Evo Morales, advertiu que "o povo se levantará" se a oposição bloquear a medida. "Não haverá acordos com os latifundiários", acrescentou, depois de denunciar "algumas famílias de Santa Cruz (a província mais próspera do país) e dos departamentos amazônicos de Beni e Pando que não querem entender a nova política agrária".A Constituição boliviana não permite que estrangeiros possuam terras numa faixa de 50 quilômetros após a fronteira.Dois brasileiros já foram identificados em Pando. Um deles, Milton José Soder, foi desalojado em setembro.Já no departamento de Santa Cruz, entre 30 e 40 brasileiros trabalham de forma ilegal nas províncias fronteiriças de Sandoval e German Bush, desmatando a floresta para produzir carvão.Segundo o vice-ministro, o governo está recorrendo à persuasão para que os brasileiros saiam dentro dos prazos, mas não descartou usar a polícia ou o Exército se necessário.Por outro lado, outro grupo de brasileiros, que formou famílias com bolivianas, receberá proteção e amparo segundo as leis locais.Um terceiro grupo formado por camponeses pobres, também explorado por brasileiros, receberá um plano de assistência e capacitação em oficinas artesanais ou de microempresas antes de sua retirada, explicou o vice-ministro boliviano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.