David Mercado / Reuters
David Mercado / Reuters

Bolívia expulsará todos os diplomatas venezuelanos e cogita deixar Unasul

Decisão foi tomada, segundo chanceler, por supostamente interferirem em assuntos internos do país; governo interino anuncia saída da Aliança Bolivariana (Alba)

Redação, O Estado de S.Paulo

15 de novembro de 2019 | 15h16
Atualizado 15 de novembro de 2019 | 18h02

LA PAZ - A Bolívia expulsará todos os funcionários da embaixada da Venezuela em Laz Paz em razão da "violação das normas diplomáticas", por supostamente interferirem em assuntos internos do país, anunciou nesta sexta-feira, 15, a chanceler do governo interino, Karen Longaric.

"Será dado um prazo para que abandone o país, por ter se envolvido em assuntos internos do Estado, a todo o corpo diplomático da embaixada da Venezuela na Bolívia que representa o governo do senhor (Nicolás) Maduro", disse a chefe da diplomacia boliviana.

Para Entender

A luta de poder na Bolívia: Jeanine Áñez no gabinete contra Evo Morales exilado no México

Presidente interina precisa obter reconhecimento, organizar eleições, além de estabilizar e reconstruir o país após semanas de protestos violentos; enquanto isso, ex-mandatário promete manter papel ativo na política boliviana

O governo de Jeanine Áñez reconheceu na quinta-feira o líder opositor Juan Guaidó como presidente da Venezuela, em um giro oposto à política do esquerdista Evo Morales, aliado de Maduro.

Bolívia deixa Alba e cogita sair da Unasul

A Bolívia decidiu também nesta sexta abandonar a Aliança Bolivariana (Alba) e cogita sair da União das Nações Sul-Americanas (Unasul), dois blocos políticos promovidos com ímpeto pelo ex-presidente Evo Morales, anunciou Karen Longaric.

"O governo da Bolívia se desvinculou do tratado de Alba, já não somos parte dele. Também estamos analisando a desvinculação da Bolívia da Unasul", afirmou a chanceler em entrevista coletiva.

A Bolívia teve um papel importante para reforçar a Aliança Bolivariana para os Povos da Nossa América, idealizado pelo ex-presidente venezuelano Hugo Chávez, morto em 2013. Ao chegar ao poder em 2006, Evo logo entrou para o bloco. Os dois líderes esquerdistas também impulsionaram a Unsaul, hoje prejudicada ante a saída de vários países da região. / AFP

Notícias relacionadas

    Encontrou algum erro? Entre em contato

    Tendências:

    O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.