Bolívia procura ex-executivos da Petrobras em investigação do gás

Autoridades bolivianas informaram, neste sábado, que estavam procurando ex-executivos da Petrobras e da Andina, uma unidade da hispano-argentina Repsol, em meio a uma investigação sobre suposta venda ilegal de gás natural para o Brasil. O escritório da Procuradoria Geral de Santa Cruz informou que pretendia interrogar os quatro ex-executivos, a despeito de eles não morarem mais na Bolívia. Ontem, membros do escritório geral da Procuradoria fizeram uma busca nos escritórios da Repsol, em Santa Cruz, para tentar localizar documentos de um contrato assinado em 2002 entre as duas companhias, que supostamente estaria associado à exportação de gás natural da Bolívia para o Brasil a preços abaixo dos valores oficiais.Os ex-executivos da Petrobras - Ruben Patritti Leiva, Antonio Luiz Silva de Menezes e Luis Rodolfo Landim - além do ex-chefe da Andima Jose Maria Moreno são citados na investigação e eram procurados, segundo informou o investigador de Santa Cruz, Alberto Cornejo, à agência Associated Press. O conselheiro jurídico da Andina, Saul Encinas Miranda, foi detido durante as buscas de ontem e permanecia sob custódia na tarde deste sábado.O ministro de Hidrocarbonetos da Bolívia, Andres Soliz, disse que, segundo suas estimativas, as vendas ilegais de gás ocorreram durante quatro anos e custaram US$ 161 milhões aos cofres do governo. A busca no escritório da unidade da Repsol ocorreu um dia após o presidente do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva, e o vice-presidente da Bolívia, Alvaro Garcia Linera, terem se encontrado em Brasília. No encontro, os dois se comprometeram a continuar a prolongada negociação sobre o preço do gás natural.Atualmente, a Petrobras paga US$ 4 por milhão de unidades térmicas britânicas de gás, mas a Bolívia quer cobrar um preço maior desde que o presidente Evo Morales divulgou um decreto nacionalizando a produção de petróleo do país, em maio. Esta foi a segunda investigação na Repsol desde a nacionalização.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.