EFE/ Juan Carlos Torrejón
EFE/ Juan Carlos Torrejón

Bolívia tem recorde de novos casos de covid-19 e planeja retomar confinamento rígido

Governo boliviano registrou 884 novas infecções em 24 horas e discute retomar quarentena a partir do dia 23; país superou os 16 mil infectados

Redação, O Estado de S.Paulo

12 de junho de 2020 | 17h37

LA PAZ - A Bolívia registrou um recorde de 884 novos casos de covid-19 em apenas um dia, e autoridades começaram a discutir, nesta sexta-feira 12, um retorno ao confinamento rígido, após duas semanas de flexibilização da quarentena.

Nas últimas 24 horas, foi registrada a maior cifra de novos casos desde 10 de março, quando o vírus foi detectado no país sul-americano. O número total de infectados chegou a 16.165. Segundo projeções epidemiológicas, o número de infectados pelo novo coronavírus deve ser de 100 mil até o fim de julho, com a mortalidade ficando entre 4 mil e 7 mil.

Após o novo recorde diário, o Comitê de Emergência de La Paz determinou que voltará a "endurecer as condições da quarentena", com algumas modalidades que possibilitem o desenvolvimento de atividades econômicas, a partir do dia 23, declarou o prefeito, Luis Revilla.

La Paz registrou 90 novos casos, sendo que a cifra antes da flexibilização, em 1° de junho, era bem menor. As regiões de Santa Cruz (leste) e Beni (nordeste), as mais atingidas pela pandemia, mantêm medidas extremas para conter a doença. A Bolívia superou os 16 mil infectados, sendo que 10 mil estão em Santa Cruz e 2 mil em Beni.

Para Entender

Coronavírus: veja o que já se sabe sobre a doença

Doença está deixando vítimas na Ásia e já foi diagnosticada em outros continentes; Organização Mundial da Saúde está em alerta para evitar epidemia

O país começou a quarentena em março com suspensão de atividades públicas e privadas e o fechamento de fronteiras terrestres, fluviais e aéreas. No começo de junho, várias cidades bolivianas decidiram pela flexibilização, devido à pressão de setores sociais para que a atividade econômica voltasse ao normal. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.