Boliviano que insultou Evo Morales é enviado para prisão

Um torcedor boliviano foi enviado à prisão acusado de exibir um cartaz nas arquibancadas com a legenda "Evo terrorista" em alusão ao presidente do país, Evo Morales, informaram hoje fontes do judiciário boliviano. O torcedor Maximiliano Pérez Argote, um dos chefes da torcida do time de futebol Oriente Petrolero, foi enviado hoje ao presídio de Palmasola, perto da cidade de Santa Cruz.

AE, Agência Estado

18 de maio de 2011 | 16h24

Argote foi acusado de desacato e sedição, informou o fiscal Mario Mercado. O suspeito segurou o cartaz e depois pendurou a mensagem na murada da arquibancada do estádio Tahuichi Aguilera, no domingo passado, durante um jogo entre o Oriente Petrolero e o Nacional Potosí. O Oriente Petrolero ganhou o jogo por 3 a 1.

"Eu não coloquei o cartaz na arquibancada, mas se tive um grau de participação nisso peço desculpas ao excelentíssimo presidente da República e digo isso com toda a sinceridade, às vezes não medimos as consequências dos nossos atos", disse Pérez, em audiência na Justiça, ontem, ante o juiz Arturo Vargas, que não aceitou as desculpas.

O presidente da Federação Boliviana de Futebol, Carlos Chávez, enviou uma carta ao dirigente do campeonato local de Santa Cruz, Mauricio Méndez, na qual advertiu que os jogos serão suspensos se ocorrerem nas arquibancadas manifestações "que mancham a dignidade humana" e também de caráter político. As informações são da Associated Press.

Mais conteúdo sobre:
BolíviaprisãoMorales

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.