Bolivianos bloqueiam fronteira com o Brasil em MS

Manifestantes fecham ponte em Corumbá; Gol cancela vôos para aeroporto ocupado pela oposição

SOLANGE SPIGLIATTI, estadao.com.br

12 de setembro de 2008 | 11h32

Grupos de manifestantes de oposição ao governo do presidente boliviano, Evo Morales, bloquearam, na noite desta quinta-feira, a ponte que liga a Bolívia ao município brasileiro de Corumbá, no Mato Grosso do Sul. Além disso, a companhia aérea Gol informou nesta sexta-feira, 12, que dois vôos para a Bolívia foram cancelados por conta das manifestações da oposição ao presidente Evo Morales no Aeroporto de Viro-Viro.   Veja também: Governo boliviano propõe diálogo com oposição Chávez expulsa embaixador dos EUA da Venezuela Conflito deixa 8 mortos e Evo diz que 'paciência tem limite' Lula expressa apoio a Evo diante da crise na Bolívia Entenda os protestos da oposição na Bolívia Enviada do 'Estado' mostra imagens dos protestos na Bolívia  Imagens das manifestações     Os protestos já duram mais de duas semanas e provocaram oito mortes, além de afetar as exportações vitais de gás natural para o Brasil e Argentina, reduzindo também a receita da Bolívia, um dos mais altos índices de pobreza da América Latina.   Segundo informações do posto da Receita Federal em Corumbá, os bolivianos montaram uma barricada com areia, por volta das 23 horas, em cima da ponte, no trecho boliviano. A barreira, segundo informações da Receita, está impedindo a passagem de veículos brasileiros para o país. Os veículos bolivianos estão cruzando a fronteira normalmente e a passagem de pedestres ocorre sem problemas, segundo a Receita. Cerca de 30 pessoas estão mantendo o protesto no posto da aduana boliviana pacificamente, de acordo com a Receita. Durante a manhã, foram disparados alguns rojões.   A Gol divulgou nota sobre o cancelamento de vôos do Brasil para a Bolívia. O vôo 7460, que partiria na quinta-feira, às 21h40, do Aeroporto Internacional de Cumbica, com destino à Santa Cruz de La Sierra, na Bolívia, fazendo escala em Campo Grande, no Mato Grande do Sul, foi cancelado. O vôo de volta, de número 7461, que partiria nesta sexta, às 6 horas, também foi cancelado pelo mesmo motivo. A Companhia ressalta que a Central de Relacionamento com o Cliente contatou os passageiros para orientá-los sobre remarcações ou reembolsos.   Uma comitiva de autoridades bolivianas formada por sete deputados e um oficial da Força Aérea foi resgatada na manhã de quinta pela Polícia Federal em Guajará-Mirim, Rondônia. Os parlamentares, segundo informações da PF, tentavam embarcar nas cidades bolivianas de Riberalta e Guayaramerim quando foram impedidos por manifestantes.   A comitiva, integrada pelos deputados Antonio Ramon Sanchez, Bernardo Montenegro, Arturo Murilo, Javier Zabaleta, Edgar Valariano, Ricardo Ayllon, Jose Pimentel e o capitão aviador Max Penozo, foi resgatada no porto da base do Exército Brasileiro e conduzida à Delegacia de Polícia Federal em Guajará-Mirim, onde aguardaram o pouso de uma aeronave da Força Aérea Boliviana no aeroporto da cidade. Eles embarcaram para La Paz depois.   No final de agosto, a PF já havia realizado o resgate do presidente da Bolívia, Evo Morales, quando manifestantes de seu país invadiram e controlaram três aeroportos do departamento de Beni. Evo viajava pela região tentando acordo de governabilidade. Na ocasião, o presidente havia fugido de barco de Guayaramerin, na Bolívia, quando pediu apoio a Polícia Federal em Guajará-Mirim.

Tudo o que sabemos sobre:
Bolíviacrise na Bolívia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.