Rodrigo Sura / EFE
Rodrigo Sura / EFE

Bolivianos fazem fila por frango, ovos e combustível em razão de bloqueios nas estradas

Apoiadores de Evo Morales seguem bloqueando as rodovias e isolando centros populacionais no país; autoridades dizem que um avião militar aterrissou em La Paz com produtos de carne

Redação, O Estado de S.Paulo

17 de novembro de 2019 | 14h21

LA PAZ - Bolivianos enfrentaram longas filas nas ruas de La Paz neste domingo, 17, em busca de frango, ovos e combustível, enquanto apoiadores do ex-presidente Evo Morales - que renunciou na semana passada - seguem com bloqueios nas estradas do país, isolando centros populacionais de fazendas em terras mais baixas.

Autoridades disseram que um avião militar Hercules aterrissou na capital La Paz no sábado, cheio de produtos de carne, contornando as barricadas nas estradas nas saídas da cidade.

Para Entender

Crise na Bolívia: A ascensão e queda de Evo Morales

Por que a gestão dele teve tanto destaque? Como ele mudou a nação sul-americana? A democracia corre perigo no país? Entenda essas e outras questões

O ministro da Presidência, Jerjes Justiniano, disse a repórteres que o governo estabeleceu uma “ponte aérea” para La Paz. Ele afirmou também que as autoridades esperam fazer o mesmo com outras grandes cidades bolivianas que foram isoladas de suprimentos.

País em crise

A nação andina entrou em crise após as eleições de 20 de outubro. O então presidente Evo Morales, que venceu o pleito, renunciou após a auditoria da Organização dos Estados Americanos OEA) revelar evidências de fraude eleitoral, e aceitou a oferta de asilo político do México, onde se encontra atualmente.

Para Entender

A luta de poder na Bolívia: Jeanine Áñez no gabinete contra Evo Morales exilado no México

Presidente interina precisa obter reconhecimento, organizar eleições, além de estabilizar e reconstruir o país após semanas de protestos violentos; enquanto isso, ex-mandatário promete manter papel ativo na política boliviana

Apoiadores de Evo foram às ruas pouco depois, alguns armados com bazucas caseiras, pistolas e granadas, bloqueando ruas e entrando em conflito com forças de segurança.

Enquanto a violência piorava, muitas pessoas nas regiões mais pobres de La Paz passaram a cozinhar com lenha, e formaram longas filas por gás liquefeito, latas e pouca comida.

“Espero que as coisas se acalmem”, disse Josué Pillco, funcionário da construção civil em um bairro operário de La Paz. “Não temos comida ou combustível.” / AFP

Tudo o que sabemos sobre:
Bolívia [América do Sul]

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.