Bolivianos protestam contra a Petrobras

Um grupo de índios bolivianos da região de Chaco percorreu 1.500 quilômetros durante 40 dias para chegar a La Paz e protestar contra as atividades de exploração de gás natural da Petrobras no país. O grupo exige que o governo cancele o contrato com a Petrobras para produzir gás em San Alberto. O grupo de Chaco juntou-se a mais 1.300 manifestantes em La Paz, liderados pelos sindicatos de trabalhadores, que são contra o referendo de domingo, que irá decidir como a Bolívia irá usar suas reservas de gás natural. Os manifestantes exigem a nacionalização do mais importante recurso natural do país.A Bolívia abriu seu setor de energia ao investidor privado na década de 1990 e a Petrobras assumiu um papel de liderança na exploração e produção, refino e transporte do gás natural boliviano. A Petrobras descobriu em San Alberto e San Antonio as maiores reservas de gás natural de país. Desde 2001, a Petrobras processa gás natural de San Alberto numa refinaria com capacidade de produção de 6,6 milhões de metros cúbicos por dia. A companhia brasileira também controla o gasoduto Brasil-Bolívia de 3.150 quilômetros, inaugurado em 1998.Embora alguns manifestantes exijam a total nacionalização do setor de energia do país, há outros que defendem a elevação dos royalties para exploração das reservas de gás pagos pela Petrobras, Repsol-YPF e Total SA. Atualmente, essas companhias pagam 18% de royalties sobre a produção de San Alberto, localizado no sul do estado de Tarija.

Agencia Estado,

14 de julho de 2004 | 17h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.