Jim Lo Scalzo/EFE
Jim Lo Scalzo/EFE

Bolsonaro diz a TV evangélica americana que quer 'fazer o Brasil grande'

Presidente ecoa slogan de campanha de Trump e diz que apoia as políticas do líder americano

Redação, O Estado de S.Paulo

20 de março de 2019 | 22h51

O presidente Jair Bolsonaro afirmou que quer "fazer o Brasil grande", em entrevista ao canal de TV americano CBN (Christian Broadcasting Network), ecoando o slogan de campanha do presidente dos EUA, Donald Trump, com quem Bolsonaro se encontrou na terça-feira em Washington. À CBN, Bolsonaro também disse que apoia as políticas do presidente americano e tem o apoio dos evangélicos no Brasil. Na terça-feira, durante entrevista coletiva na Casa Branca, Bolsonaro já tinha dito que acreditava piamente na reeleição de Trump em 2020.

O repórter americano George Thomas, que entrevistou Bolsonaro, afirmou ainda que o presidente comentou que a situação da Venezuela esteve no topo da agenda da visita aos Estados Unidos, principalmente porque o Brasil possui fronteira com o país e o fluxo de refugiados é preocupante. Segundo ele, Bolsonaro é da opinião de que o presidente venezuelano Nicolás Maduro tem que dar "um passo atrás".

O televangelista Pat Robertson, lenda viva do movimento evangélico americano que ficou famoso graças à amizade que teve com o presidente republicano Ronald Reagan (1981-1989), conduziu uma oração na terça-feira, ao lado de mais de uma dezena de líderes evangélicos que se encontraram com o presidente Jair Bolsonaro em um de seus últimos compromissos em Washington. “Senhor, dê-lhe apoio. Proteja-o do mal”, teria orado  Robertson, que também pediu para que Estados Unidos e Brasil fiquem unidos.

Thomas também falou sobre o encontro de Bolsonaro com "líderes da comunidade cristã americana" após a reunião com Trump, e afirmou que o presidente disse estar em "território familiar".

Tudo o que sabemos sobre:
Jair Bolsonaro

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.