REUTERS/Adriano Machado
REUTERS/Adriano Machado

Bolsonaro diz que Rio Grande do Sul pode virar Roraima 'se esquerdalha voltar na Argentina'

'Não queremos ver irmãos argentinos fugindo para cá caso estas eleições se confirmem', diz o presidente em Pelotas

Luiz Raatz e Luciano Nagel, especial para O Estado, O Estado de S.Paulo

12 de agosto de 2019 | 14h40
Atualizado 12 de agosto de 2019 | 17h02

PELOTAS - O presidente Jair Bolsonaro disse nesta segunda-feira, 12, que “o Rio Grande do Sul pode virar um Estado como Roraima”, caso o kirchnerista Alberto Fernández vença as eleições presidenciais argentinas em outubro.

Fernández, companheiro de chapa da ex-presidente Cristina Kirchner, teve mais de 15 pontos de vantagem para o presidente Mauricio Macri nas primárias de ontem, que servem como uma espécie de termômetro para a disputa pela Casa Rosada. O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva felicitou Fernández, por meio do Twitter. 

“Se esta esquerdalha voltar na Argentina, nós poderemos ter no Rio Grande do Sul um novo Estado, como o de Roraima, e não queremos isso”, disse o presidente em referência ao êxodo migratório provocado pela crise econômica na Venezuela. “Não queremos ver irmãos argentinos fugindo para cá, caso essas eleições se confirmem.”

O presidente ainda vinculou os kirchneristas a outras lideranças de esquerda no Brasil, na Venezuela e em Cuba. “Não esqueçam que na Argentina a turma da Cristina Kirchner, que é a mesma da Dilma (Rousseff), (Nicolás) Maduro, (Hugo) Chávez e Fidel Castro deram um sinal de vida (sic) aqui no Brasil (o presidente se referia à Argentina), ao lado do povo gaúcho”, disse.

“Existe uma turma aí que quer roubar nossa liberdade, e essa turma apoia a Venezuela, Cuba e Coreia do Norte. Não podemos esquecer isso”, acrescentou o presidente.

Fernández, ex-chefe de gabinete de Néstor Kirchner e de Cristina, foi escolhido como cabeça de chapa pela ex-presidente, que enfrenta problemas na Justiça argentina em abril. Em julho, ele visitou Lula na prisão, em Curitiba, e defendeu sua libertação. 

Derrota pessoal para Bolsonaro

Para analistas, a vitória de Fernández nas prévias representa um revés para Bolsonaro, que tem se dedicado com afinco desde que assumiu o governo a apoiar Macri. Do lado argentino, especialistas na política local acreditam que a relação com o Brasil e a opinião do presidente sobre a disputa não tem um impacto relavante no cenário eleitoral. 

"A vitória de Fernández e Cristina é uma derrota pessoal para Jair Bolsonaro", disse ao Estado Dawisson Belém Lopes, professor de política internacional da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). "Isso por que Bolsonaro encampou a causa e fez campanha pessoalmente por Macri. Esteve na Argentina e mesmo nos Estados Unidos quando visitou o ex-presidente George W. Bush falou de uma preocupação do republicano com a eleição argentina."

Para o cientista político Ignacio Labaqui, da Universidade Católica de Buenos Aires, questões de política externa que envolvem o Brasil não são muito relevantes nas eleições argentinas. Além disso, o porcentual dos eleitores no país vizinho que compartilha da ideologia do presidente é pequeno. 

"O fato de Bolsonaro apoiar Macri não tem tido influência na eleição argentina", disse. 

“Macri tem relações boas com Trump e Bolsonaro, mas se sente mais cômodo ideologicamente com Obama, por exemplo, do que com a extrema direita que o americano e o brasileiro representam”, acrescentou. “Macri não tem nada a ver com o que Bolsonaro representa.”

Mariel Fornoni, da Management & Fit, vai na mesma linha. "Para 35% da população argentinaque vive na pobreza, as relações com o Brasil ou com a Venezuela não influenciam nada em sua vida", disse. "O que faz a diferença é o desemprego e a inflação o custo de vida."

Disputa ideológica chega à Argentina

O professor da UFMG ainda lembra que a eleição argentina de outubro será decisiva para medir a disputa entre esquerda e direita na América Latina. Desde 2015, com a eleição do próprio Macri, o humor político da região vinha abandonando os governos de esquerda que se tornaram majoritários no começo do século em prol de gestões mais liberais, da qual Macri pretendia ser o pioneiro. 

"Aparentemente o ciclo liberal na Argentina deve ser breve, o que é surpreendente", nota Belém Lopes. "O que se esperaria era algo mais duradouro, ou que pelo menos Macri fizesse um sucessor. Mas seu governo não foi bem-sucedido sobretudo na economia."

O especialista lembra ainda que resta saber se essa mudança de humor político deve se espalhar pelo resto da América Latina. A Bolívia e o Uruguai têm eleições ainda este ano, e o campo da esquerda no poder. tanto em La Paz quanto em Montevidéu, é favorito. 

A origem da crise argentina

Macri chegou ao poder em 2015, depois de dois mandatos de Cristina Kirchner e um do marido dela, Néstor, que assumiu o país em 2003 depois da maior crise econômica da história do país. A alta das commodities permitiu que o país voltasse a crescer e saísse do vermelho, com bons índices de crescimento.

Apesar disso, a economia continou fechada e dependente de subsídios. No segundo mandato, entre 2011 e 2015, Cristina maquiou índices de inflação e restringiu as reservas de dólares do BC, o que agravou a crise. 

Macri apostou em reformas liberalizantes e no corte de subsídios, o que aumentou a inflação. Sem conseguir conter a alta nos preços, recorreu a um acordo com o FMI - profundamente impopular no país em consequência da crise de 2001. Em abril deste ano, o presidente passou a congelar preços para tentar segurar a alta da inflação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.