Cristiano Dias/ ESTADÃO
Cristiano Dias/ ESTADÃO

Após aterrissar em TelAviv, Bolsonaro promete renovar relação com Israel

Presidente foi recepcionado por Netanyahu em aeroporto, fato raríssimo nos 10 anos em que o premiê esteve à frente do governo

Célia Froufe e Cristiano Dias, enviados especiais

31 de março de 2019 | 04h39

TEL AVIV – O presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, destacou em sua chegada em Tel Aviv, às 9 horas local (3 horas em Brasília), que o Brasil retornou o tratamento equilibrado às questões relacionadas ao Oriente Médio. Em cerimônia oficial, ao lado do primeiro-ministro Binyamin Netanyahu, a quem chamou de irmão, enfatizou que cooperação nas áreas de segurança e defesa interessam muito ao Brasil.

“Pretendemos aproximar nossos povos, nossos militares, nossos estudantes, nossos cientistas, nossos empresários e nossos turistas”, citou, após participar de honras militares, ouvir os hinos nacionais, fazer revista da guarda de honra e cumprimentar as delegações. 

Bolsonaro foi recepcionado por Netanyahu em aeroporto, fato raríssimo nos 10 anos em que o premiê esteve à frente do governo.

Na abertura e no final de seu discurso, que durou seis minutos, o presidente disse em hebraico, “eu amo Israel”. De acordo com moradores locais, ele cometeu um pequeno erro em uma das vezes que fez a pronúncia. Bolsonaro salientou que se trata de uma visita a Israel em menos de 100 dias de seu governo – ele já esteve na Suíça, nos Estados Unidos e no Chile. Agradeceu a presença de Netanyahu na cerimônia de sua posse, em janeiro, pontuando que se tratou da primeira visita de um chefe de governo israelense ao país.  Também voltou a agradecer a ajuda do primeiro-ministro na tragédia de Brumadinho, em Minas Gerais, também em janeiro. “Isso jamais será esquecido.”

Bolsonaro comentou que o governo está firmemente decidido em fortalecer parceria entre Brasil e Israel, mas lembrou que os países se afastaram no passado. “Mas Deus sabe o que faz, e voltamos”, disse, acrescentando que as duas nações prezam a democracia e que podem alcançar grandes feitos. No início de sua fala lembrou que seu nome também é Messias e recordou outras visitas que fez ao país, inclusive quando foi batizado no rio Jordão. “Foi uma emoção com compromisso, uma fé verdadeira, que me acompanhará pelo resto da vida”, descreveu.

Ele relatou ainda que falou várias vezes durante a campanha que Israel não é tão rico como o Brasil em recursos naturais e “outras coisas”. “Mas olha o que eles não têm e o que são. Olhe o que nós temos e o que não somos”, comparou.  O presidente também disse que dois milagres aconteceram com ele, uma é estar vivo, após o esfaqueamento que sofreu, e a outra foi ser sido eleito. “Fui eleito presidente com um clima hostil a minha pessoa, mas eu tinha uma coisa que eles não tinham: o povo ao meu lado.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.