Bolton é um perigo

São poucas as pessoas com mais possibilidades de levar o país a uma guerra do que ele

The New York Times, O Estado de S.Paulo

24 Março 2018 | 05h00

O ponto positivo de John Bolton, novo assessor de Segurança Nacional de Donald Trump, é que ele diz o que pensa. O negativo é o que ele pensa. São poucas as pessoas com mais possibilidades de levar o país a uma guerra do que Bolton. Sua escolha é tão alarmante quanto certas indicações feitas por Trump, que está cedendo a seus piores instintos nacionalistas. 

Bolton acha que os EUA podem fazer o que quiserem, sem consideração com tratados ou compromissos anteriores. Ele defendeu um ataque à Coreia do Norte para neutralizar suas armas nucleares que poderiam causar uma guerra terrível e a morte de milhares de pessoas. Ele não só quer abolir o acordo com o Irã como defende um bombardeio ao país. 

Durante os 30 anos em que serviu três presidentes republicanos, Bolton sempre manifestou desprezo pela diplomacia e pelo controle armamentista. Ninguém trabalhou mais do que ele para implodir o acordo de 1994, que suspendeu o programa de plutônio da Coreia do Norte. O colapso desse acordo contribuiu para a crise atual.

Ninguém defendeu tanto a invasão do Iraque quanto Bolton, posição que nunca abandonou. Na época, ele afirmou que os iraquianos acolheriam bem as tropas americanas, que o trabalho do Exército acabaria rapidamente e os iraquianos desfrutariam da liberdade sem Saddam Hussein. Bolton substituirá H. R. McMaster, general que vinha alertando contra o abandono do acordo com o Irã sem um plano a seguir. Esta foi uma das várias divergências que ele teve com o presidente. 

+ Trump põe no comando da segurança nacional um linha-dura analista de TV

Ao contrário do general, ele já mantinha uma boa relação com Trump, tendo se reunido com ele diversas vezes, além de ser comentarista da Fox News. Bolton fez campanha para assumir o cargo, mesmo depois de Trump tê-lo rejeitado para essa posição e como secretário de Estado, em parte porque não gostava do seu bigode – (Trump realmente disse isso). 

A função de Bolton será assegurar que o presidente ouça opiniões de todos no governo. Mas é difícil imaginá-lo como um mediador honesto. Ele atraiu tantas críticas que não foi confirmado como embaixador na ONU, em 2005, e George W. Bush teve de nomeá-lo durante recesso do Senado. É improvável que ele fosse aceito agora como secretário de Estado, mas, como assessor de Segurança Nacional, não precisa de confirmação.

Trazer Bolton para o governo é uma decisão terrível. Apesar de Trump ter ameaçado os norte-coreanos, ele aceitou se reunir com Kim Jong-un. Bolton, porém, já disse que o diálogo é inútil e é “legítimo” atacar a Coreia do Norte. No caso do Irã, Bolton e o presidente estão sintonizados e defendem que os EUA se retirem do acordo nuclear.

A posição de Bolton sobre a Rússia, de que a Otan tem de dar uma resposta firme ao envenenamento de um ex-espião russo, é melhor do que a de Trump. Mas a rejeição da solução de dois Estados para o conflito entre Israel e palestinos é inaceitável para alguém do alto escalão do governo. Bolton vai acelerar o isolamento dos EUA. O Congresso talvez não consiga evitar sua nomeação, mas deve retomar sua responsabilidade constitucional de dar permissão para o país entrar em guerra. / TRADUÇÃO DE TEREZINHA MARTINO 

EDITORIAL PUBLICADO NESTA SEXTA-FEIRA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.