John Macdougall / AFP
John Macdougall / AFP

Bomba americana da 2ª Guerra é desativada no centro de Berlim

Na sexta-feira, 3 mil pessoas foram retiradas da região e um perímetro de segurança de 300 metros chegou a ser estabelecido

Redação, O Estado de S.Paulo

15 de junho de 2019 | 14h45

BERLIM - Uma bomba americana de 100 kg da 2.ª Guerra foi desativada na madrugada deste sábado, 15, após sua descoberta no centro de Berlim, perto da praça Alexanderplatz, informou a polícia.

"O detonador foi destruído com sucesso. Estamos retirando aos poucos os bloqueios. Em breve, vocês poderão retornar a suas casas", indicou a polícia local em sua conta no Twitter.

Após a retirada de 3 mil pessoas da área na sexta-feira, a polícia disse que encontrou alguns problemas técnicos para desarmar a bomba, mas que foram resolvidos rapidamente. Um perímetro de segurança de 300 metros havia sido estabelecido.

Descoberta perto de um centro comercial, a bomba teria sido largada por um bombardeiro americano e seu detonador permaneceu intacto. O tráfego de várias linhas de trens na região foi suspenso para a operação.

A Alemanha tem grande experiência neste tipo de evento, uma vez que a descoberta de bombas da 2.ª Guerra é, de certa forma, frequente. As bombas lançadas pelos Aliados e que não explodiram ainda provocam grandes operações.

A maior retirada do tipo desde 1945 foi em setembro de 2017, em Frankfurt, onde foi encontrada uma bomba britânica com uma carga explosiva de 1,4 tonelada. Cerca de 65 mil habitantes tiveram de deixar suas casas.

Na maioria das vezes, as bombas podem ser desativadas. Em casos raros, é preciso executar uma explosão "controlada".

Berlim sofreu durante a guerra pesadas campanhas de bombardeios, principalmente em meados de 1945, com um terço das casas da cidade destruídas e milhões de mortes.

Milhares de bombas não detonadas já foram descobertas e outras 3 mil ainda permanecem no subsolo de Berlim, segundo especialistas. Em abril de 2018, as forças de segurança da capital alemã desativaram uma bomba britânica de 500 kg. Cerca de 10 mil pessoas foram retiradas da área. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.