EFE / Jerome Favre
EFE / Jerome Favre

Bomba de 450 kg da 2ª Guerra é desativada em Hong Kong

Descoberta do artefato havia provocado a saída de mais de 4 mil pessoas da região de Wan Chai por mais de 15 horas

O Estado de S.Paulo

01 Fevereiro 2018 | 09h40

HONG KONG - Policiais desativaram nesta quinta-feira, 1.º, uma bomba de 450 kg da 2.ª Guerra, encontrada em uma área em construção na zona urbana de Hong Kong. A descoberta do artefato provocou a saída de mais de 4 mil pessoas da região por mais de 15 horas.

+ Bomba britânica da 2ª Guerra pode arrasar quarteirão em Frankfurt

A bomba, a segunda encontrada na mesma região em quatro dias, foi descoberta no distrito comercial e financeiro de Wan Chai, na manhã de quarta-feira, por operários que realizavam trabalhos no subsolo.

+ Bomba inativa da 2ª Guerra Mundial provoca retirada de ao menos 70 mil na Grécia

A descoberta provocou um desdobramento da polícia, que ordenou a retirada das pessoas dos edifícios, o fechamento de lojas, hotéis, colégios e escritórios, e a interrupção no tráfego e nos serviços de transporte marítimo.

As equipes de desativação de explosivos conseguiram abrir a bomba e queimar a munição, uma tarefa que durou horas em razão da má condição e da localização complicada do projétil embutido no solo, segundo os especialistas.

O explosivo estava a apenas 10 metros de onde no sábado foi encontrado outro do mesmo modelo, de 450 kg, o qual também provocou uma retirada de pessoas da área. A bomba também foi desativada com sucesso.

Os dois explosivos foram lançados pelo Exército dos EUA durante a 2.ª Guerra. A aparição de bombas ou granadas não detonadas não é incomum em Hong Kong, já que a cidade foi palco de combates entre o Exército japonês, que tomou o território durante quase quatro anos, e as forças aliadas britânicas e americanas entre 1941 e 1945.

Em 2014, a polícia desativou uma bomba de guerra que pesava quase uma tonelada, a maior encontrada na região até o momento. / EFE

Mais conteúdo sobre:
Segunda Guerra Mundial Hong Kong Bomba

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.