Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Bomba deixa 12 mortos em mesquita no centro de Bagdá

Uma bomba deixada em uma mesquita no centro de Bagdá nesta segunda-feira, 19, matou pelo menos 12 pessoas e feriu outras 12, enquanto civis faziam seu momento de oração, segundo informações da polícia local.Em kirkuk, 12 pessoas morreram após ataque de carro bomba e em Faluja, tropas iraquianas mataram quatro insurgentes. Ao todo, são 28 mortos no Iraque nesta segunda-feira.O ataque aconteceu por volta de 12:30, explodindo janelas e destruindo muros de uma mesquita que se encontra em uma área comercial, no centro de Bagdá.Inicialmente, a polícia acusou um homem-bomba que tentara entrar na mesquita. Depois, eles divulgaram que um explosivo estava alocado atrás do palanque do pregador, perto de um pilar, deixando uma cratera no chão.Gheith Jassim, de 32 anos e dono de um comércio que fica próximo à mesquita, correu após ouvir a explosão porque temia que seua irmão estivesse no local. Quando chegou ao local, Jassim presenciou uma cena catastrófica."Quando eu cheguei, vi inúmeras pessoas feridas gritando e sendo levadas por ambulâncias. Há sangue nas paredes da mesquita e os carpetes estão queimados", disse JassimJassim disse que alguns fiéis que estavam no local culparam extremistas sunitas pelo ataque, na tentativa de desestabilizar o plano de segurança que está sendo implementado por tropas iraquianas e americanas em Bagdá.Ataque em KirkukTrês carros-bomba e dois artefatos em uma estrada mataram 12 pessoas e feriram 37 na cidade iraquiana de Kirkuk na segunda-feira, disse a polícia. As explosões aconteceram em diferentes partes da cidade, mas explodiram com diferença de minutos. Um carro-bomba tinha como alvo escritórios do partido político do ex-primeiro-ministro Iyad Allawi, outro explodiu perto de um prédio do governo e o terceiro em uma rua comercial, disse o brigadeiro Sarhat Qader. As bombas em estradas tinha como alvo patrulhas da polícia e do Exército iraquianos, disse Qader.Mais mortes As forças de segurança iraquianas mataram ainda nesta segunda-feira quatro insurgentes em choques ocorridos em Faluja, 50 quilômetros a oeste de Bagdá, e detiveram trinta pessoas durante uma operação no leste da capital.Fontes policiais iraquianas afirmaram que agentes da polícia mataram quatro rebeldes no bairro de Albaluanm, no sudoeste de Faluja, e não houve vítimas entre os efetivos das forças de segurança.As fontes disseram também que moradores da região de Ameriyet Al Faluja enfrentaram insurgentes supostamente relacionados com a organização Al-Qaeda.A polícia, que explicou que os choques ocorreram no sul da cidade, não informou se houve vítimas.Em um incidente separado, pelo menos trinta pessoas que residiam nos bairros Al Falahat e Al Halabsa, no leste de Faluja, foram detidas durante uma operação no começo da manhã pelas forças de segurança iraquianas.As fontes, que não explicaram o motivo das detenções, acrescentaram que a operação continua.Um soldado iraquiano morreu ao ser baleado por um franco-atirador perto de um posto de controle conjunto iraquiano e americano no oeste de Faluja.O Exército americano afirmou que as tropas da coalizão detiveram hoje sete supostos terroristas em Faluja e em Ramadi, centro da província de Al-Anbar.Segundo um comunicado do comando militar dos EUA, as detenções foram realizadas durante operações contra o braço da Al-Qaeda no Iraque e as pessoas que ajudam os "combatentes estrangeiros".Três dos supostos terroristas, responsáveis por ataques contra tropas da coalizão, foram detidos em Ramadi, segundo a nota.Um deles supostamente se encarregava da fabricação de artefatos explosivos.Os outros quatro detidos são suspeitos de apoiar os "combatentes estrangeiros" da Al-Qaeda capturados em Faluja, acrescenta o documento.

Agencia Estado,

19 de março de 2007 | 08h42

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.