Bomba em mercado de Moscou mata dez pessoas

A explosão de uma bomba em um dos mercados mais movimentados de Moscou matou dez pessoas, nesta segunda-feira. Havia pelo menos duas crianças entre as vítimas fatais. Mais de 50 ficaram feridos. Dois suspeitos foram presos.O ato foi considerado pelas autoridades um acerto de contas entre organizações criminosas. "Ou se trata de uma queda-de-braço, ou de um simples acerto de contas entre criminosos", afirmou Yuri Siomin, promotor da capital russa.A explosão aconteceu às 10h30, horário de grande movimento no mercado, e destruiu postos e lojas em um raio de 200 metros. Segundo a promotoria, cinco mortos são de procedência chinesa e um é vietnamita.A identificação das outras quatro pessoas que morreram só será possível através da análise de DNA, pois as pessoas não portavam documentos e seus corpos ficaram irreconhecíveis.A bomba, que estava carregada com 1,5 quilo de dinamite, poderia ter causado um estrago ainda maior. A hipótese de um atentado terrorista foi descartada pelas autoridades. "Não vimos nada que permita dizer que um atentado terrorista tenha sido cometido no mercado de Izmailovo (região onde fica o centro comercial)", disse Siomin.A Promotoria de Moscou abriu um processo por assassinato, embora tenha comunicado que todas as possíveis causas da explosão serão investigadas, incluindo um ataque terrorista.Seis adultos estão em estado muito grave, os outros feridos tiveram apenas escoriações leves e foram atendidas pelos serviços de emergência no próprio mercado. "Isso não foi um acidente", denunciou Vladimir Resin, alto funcionário da Prefeitura de Moscou.O mercado Cherkizov fica próximo ao mercado Izmailovo, um dos mais populares da cidade, e do estádio do Lokomotiv de Moscou, onde ocorrem as principais partidas internacionais.PrisõesAs forças de segurança prenderam dois suspeitos, que negam ter relação com a explosão. "Eles disseram que se encontravam casualmente no mercado no momento da explosão", afirmou Victor Zajarov, chefe do Serviço Federal de Segurança de Moscou.O promotor de Moscou garantiu que "dispõe de provas importantes que confirmam que estas pessoas cometeram o atentado". Os dois suspeitos foram presos quando deixavam o pavilhão comercial Evrazia, onde houve a explosão.Os vendedores advertiram os guardas de segurança do mercado sobre a presença dos três suspeitos, que foram vistos deixando uma bolsa em um dos corredores do pavilhão.Segundo a Promotoria, a bomba explodiu entre dois contêineres, junto a um bujão de gás, o que aumentou o alcance da explosão. Em um primeiro momento, fontes policiais disseram que a explosão havia ocorrido no interior de uma cafeteria que pertence a vietnamitas.Algumas testemunhas afirmaram ter presenciado uma violenta discussão entre chineses e vietnamitas no café minutos antes da explosão.Os conflitos entre grupos mafiosos asiáticos se multiplicaram nos últimos anos na Rússia, especialmente em Moscou, onde vivem cerca de 250 mil chineses e um número indeterminado de vietnamitas, muitos em situação ilegal.A investigação está sendo conduzida pelo Ministério do Interior, a Promotoria e o Serviço Federal de Segurança (FSB, antiga KGB).Nos últimos sete anos, quase cem pessoas morreram em oito ataques com explosivos em mercados russos, envolvendo atentados terroristas e ajustes de contas entre criminosos.O mais sangrento aconteceu em 19 de março de 1999, quando terroristas detonaram uma bomba no mercado Central de Vladikavkaz, capital da república russa da Ossétia do Norte, vizinha da Chechênia. O ataque deixou 52 mortos e cerca de 200 feridos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.