Bomba explode dentro de trem e deixa 14 mortos no Paquistão

Ao menos 50 pessoas ficaram feridas com a explosão em um vagão somente para homens

O Estado de S. Paulo,

08 de abril de 2014 | 10h55

(Atualizada às 11h20) ISLAMABAD - Pelo menos 14 pessoas morreram e 50 ficaram feridas nesta terça-feira, 8, quando militantes explodiram uma bomba dentro de um vagão em um trem na província paquistanesa do Baluchistão, informaram fontes do hospital e autoridades.

A explosão ocorre um dia após as forças de segurança paquistanesas terem dito que mataram 30 militantes separatistas, em um dos maiores confrontos em meses na província rica em gás.

O separatista Exército Unido Baluch assumiu a responsabilidade do ataque desta terça, dizendo em uma mensagem de texto que a explosão foi uma retaliação aos ataques das forças de segurança.

A bomba explodiu em um vagão somente para homens do Jaffar Express, na cidade de Sibi, a 120 quilômetros a sudeste da capital provincial de Quetta. "O fogo tomou conta (do vagão), após a explosão, causando a maioria das mortes", disse um membro da equipe de resgate. O ministro para Ferrovias, Khawaja Saad Rafique, confirmou o número de vítimas.

A insurgência separatista no Baluchistão é um dos problemas crônicos da segurança que minam a estabilidade da país que conta com armas nucleares.

Os separatistas acusam o governo de acabar com os recursos naturais da província e deixar seu povo mergulhado na pobreza.

Nos últimos meses, ocorreram vários ataques a trens no Paquistão. Em fevereiro, três pessoas morreram e 30 ficaram feridas após a explosão de uma bomba dentro de um trem em Kandhkot, cidade do sul do país muito próxima a Baluchistão.

Em janeiro, três pessoas morreram e 10 ficaram feridas em um ataque similar na província oriental do Punyab. No início deste mês, outra bomba explodiu em um trem que fazia o trajeto entre Lahore e Karachi, deixando um morto e 20 feridos./ EFE e REUTERS

Tudo o que sabemos sobre:
Paquistãoexplosão de bomba

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.