Bomba explode na casa do presidente do TSE do Equador

Uma bomba de baixa potência explodiu na casa do presidente do Tribunal Supremo Eleitoral (TSE), Nicanor Moscoso. O porta-voz do governo disse que o ato foi montado para "desestabilizar politicamente o país". A polícia informou que o dispositivo explodiu ao redor das 4h (horário local), rompendo vidros e danificando um automóvel que estava na garagem da casa de Moscoso em Guaiaquil, a segunda maior cidade do país, a 270 quilômetros ao sudoeste de Quito.No momento da explosão, Moscoso encontrava-se na capital, onde está localizada a sede do tribunal. "Estão querendo criar no Equador um clima de terror, um regime de terror, com o objetivo de amedrontar os homens de bem, os homens que defendem a democracia", afirmou Moscoso à imprensa, sem, no entanto, responsabilizar qualquer grupo.Segundo o secretário de Governo, Javier Ladesma, em entrevista ao Canal 2 de televisão, "alguém está interessado em criar o caos, alguém quer criar instabilidade política". Ele também não responsabilizou ninguém pela explosão. A polícia informou ter encontrado no local da explosão panfletos do até agora desconhecido grupo Esquerda Revolucionária Armada (IRA), que anunciavam atentados como protesto contra o governo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.