Bomba explode perto de escola católica

Uma bomba feriu hoje dois policiais que cuidavam da entrada de uma escola primária católica, ao mesmo tempo em que um grupo protestante continuava gritando e lançando pedras, pelo terceiro dia consecutivo, contra os pais e as estudantes que compareciam ao grupo escolar. "Quando a bomba explodiu, fiquei com medo de olhar ao meu redor. Pensei que as meninas e os pais que estavam junto com elas tivessem morrido", disse Isabel McGrann, que havia levado sua filha Emma, de 7 anos, ao colégio.Algumas das meninas, entre 4 e 11 anos, gritaram quando escutaram a explosão em uma rua próxima, e um policial caiu no chão, tendo recebido aparentemente a força da detonação nas pernas. A polícia informou que dois de seus agentes estão sendo atendidos em hospitais por ferimentos nas pernas. Também um cachorro da polícia ficou ferido.Um grupo denominado defensores da Mão Vermelha, que já havia ameaçado atacar os pais de famílias católicos e os policiais, assumiu a responsabilidade pelo ataque. A polícia acredita que o grupo seja formado por membros da Associação de Defesa do Ulster, que supostamente observa uma trégua em apoio ao acordo de paz da Irlanda do Norte de 1998.Mais tarde, três homens foram detidos em conexão com a explosão. A situação na escola parecia estar mais calma hoje e ouve maior presença à escola. A Polícia Real do Ulster disse que 41 agentes e dois soldados sofreram lesões nos conflitos das últimas 24 horas. Mais de 250 bombas incendiárias e granadas de fabricação caseira explodiram.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.