Bomba mata cinco da mesma família no Afeganistão

Polícia acredita que civis não eram o alvo do ataque, ocorrido na cidade de Kandahar

Agência Estado e Associated Press,

15 de janeiro de 2010 | 13h46

Uma bomba colocada à margem de uma estrada atingiu uma família que voltava para casa após visitar um templo. O incidente, ocorrido nesta sexta-feira, 15, matou cinco pessoas, dentre elas quatro crianças.

 

Veja também:

linkObama pedirá US$ 33 bi para ampliar contingente no Afeganistão

link2009 foi o ano mais mortífero da guerra para civis afegãos, diz ONU

especialEspecial: 30 anos de violência e caos

A explosão ocorreu no distrito de Spin Boldak, em Kandahar, perto da fronteira com o Paquistão, um dia depois de um terrorista suicida ter matado 20 pessoas em um mercado lotado em Dihrawud, província de Uruzgan, revelando os perigos enfrentados por civis na medida em que os confrontos se intensificam no Afeganistão.

As vítimas desta sexta-feira foram a mãe, três meninos e uma menina, segundo Abdul Razaq, comandante de segurança da fronteira. Ele disse que o pai e um outro parente ficaram feridos.

A polícia acredita que o carro da família não era o alvo do ataque, mas atingiu uma mina terrestre que deveria ter explodido com a passagem de policiais e outras autoridades que frequentemente são atacados por insurgentes, disse Razaq.

Civis afegãos são cada vez mais atingidos na medida em que a violência aumenta com a chegada de forças estrangeiras e americanas que tem como objetivo eliminar o Taleban.

Uma relatório da Organização das Nações Unidas (ONU), divulgado nesta semana, mostrou que suicidas do Taleban e outros tipos de ataques fizeram com que a morte de civis afegãos subisse no ano passado para o mais alto nível anual da guerra, para 2.412, um aumento de 14% em relação aos 2,118 que morreram em 2008. Quase 70% dessas mortes foram causadas por insurgentes.

Ex-militantes

O governo afegão tem atraído insurgentes do Taleban que queiram renunciar à violência oferecendo empregos e outros incentivos econômicos para convencê-lo a deixar a luta.

Nove combatentes do Taleban, dentre eles um comandante identificado como Nasir Ahmad, entregaram suas armas na noite de ontem para as autoridades na província de Kunar, leste do país, segundo o governador Sayed Fazelullah Wahidi. Eles entregaram uma granada propelida por foguete, quatro metralhadoras AK-47 e munição.

Os ex-insurgentes serão monitorados por um período enquanto se integram à sociedade, disse o porta-voz, tenente Nico Melendez. Os homens também prometeram renunciar à violência e juraram lealdade ao governo afegão.

O governador Wahidi disse que este foi o primeiro grupo a se render em Kunar, embora outros casos tenham sido relatados em outros locais.

Segundo o relatório do último trimestre do secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, sobre o Afeganistão, 57 insurgentes se renderam às autoridades na província de Herat, 12 em Kunduz, 26 em Paktika, 24 em Ghazni e 51 em Baghlan.

Tudo o que sabemos sobre:
AfeganistãoTalebanataquefamília

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.