Bombardeio americano mata 14 civis afegãos

Funcionários de construtora são atacado enquanto dormiam; coalizão justifica ataque por erro de informação

Associated Press e Efe,

28 de novembro de 2007 | 08h43

Forças da coalizão americana no Afeganistão mataram 14 civis durante o bombardeio de uma estrada no leste do país. Os mortos trabalhavam na construção de uma estrada e de acordo com oficiais afegãos, foram vítimas de um erro de informação do serviço de inteligência enquanto dormiam em suas cabanas. A coalizão afirmou que está investigando as causas do incidente na província do Nuristão, mas não fez comentários sobre a ação. As forças da Isaf (Força para a Assistência à Segurança, sob comando da Otan) afirmara, que o ataque aéreo seria realizado contra militantes taleban na região. Os engenheiros e operários eram contratados pelo Exército americano para construir a estrada na região de montanhas do Nuristão, e foram atingidos enquanto dormiam na noite de segunda-feira, 26, segundo confirmou Sayed Noorullah Jalili, diretor da companhia americana Amerifa, com sede em Cabul. Ele disse ainda que não há sobreviventes. "Todos os nossos pobres operários foram mortos". "Não acredito que os americanos tinham o nosso povo como alvo. Tenho certeza de que os inimigos dos afegãos deram informações erradas para os americanos", disse Jalili. O governador do Nuristão, Tamim Nuristani, afirmou que a coalizão conduziu os ataques aéreos depois de receber informações de que "o inimigo" estava na região e confirmou que os trabalhadores foram mortos enquanto dormiam. Oficiais afegãos chamam de "inimigos" os militantes taleban e de outras milícias islâmicas. Este ano, o mais mortífero no país desde o início da invasão americana em 2001, cerca de 6 mil pessoas - número recorde - morreram em operações militares, segundo a Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
AfeganistãoEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.