Bombardeio atribuído aos EUA mata seis no Paquistão

Fontes do governo paquistanês afirmam que aeronave não tripulada promoveu o ataque contra casa

Agência Estado e Associated Press,

01 de outubro de 2008 | 11h40

Um bombardeio atribuído a um avião militar americano provocou a morte de pelo menos seis pessoas em uma região tribal paquistanesa perto da fronteira com o Afeganistão, informaram nesta quarta-feira, 1, funcionários dos serviços secretos paquistaneses. As forças americanas posicionadas no Afeganistão têm promovido com freqüência ataques aéreos dentro do Paquistão, bombardeando alvos supostamente ligados à milícia fundamentalista islâmica Taleban e à rede extremista Al-Qaeda no lado paquistanês da fronteira. Em alguns casos, no entanto, civis foram mortos nos ataques. Os bombardeios americanos têm provocado protestos por parte do governo do Paquistão, um aliado dos EUA na guerra travada há sete anos contra forças extremistas na região. Em alguns casos, soldados paquistaneses têm, inclusive, efetuado disparos contra as forças americanas. De acordo com as fontes nos serviços secretos, os mísseis foram disparados por um avião militar não tripulado pertencente ao Exército dos Estados Unidos. O alvo foi a casa de um suposto comandante local do Taleban. O ataque ocorreu pouco antes da zero hora desta quarta perto de Mir Ali, uma cidade da região tribal autônoma de Waziristão do Norte. Seis pessoas morreram nos ataques, afirmaram as fontes. As vítimas, no entanto, não foram identificadas.  O governo paquistanês exerce pouco ou nenhum controle sobre as áreas tribais situadas na vasta fronteira com o Afeganistão. Nos últimos anos, diversos grupos extremistas estabeleceram-se nessa remota região fronteiriça, de onde são lançados ataques tanto contra o Paquistão quanto contra o Afeganistão. Acredita-se, inclusive, que o milionário saudita no exílio Osama bin Laden, líder da Al-Qaeda, estaria escondido na região.

Tudo o que sabemos sobre:
PaquistãoEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.