REUTERS/Ministry of Defence of the Russian Federation
REUTERS/Ministry of Defence of the Russian Federation

Bombardeio de aviões russos no norte da Síria deixa 45 mortos

Ataques na província litorânea de Latakia tiveram como alvo quartéis dos grupos insurgentes que combate Bashar Assad; OSDH diz que há civis entre as vítimas

O Estado de S. Paulo

20 Outubro 2015 | 11h39

DAMASCO - Pelo menos 45 pessoas morreram e mais de 100 ficaram feridas em um bombardeio de aviões russos na noite de segunda-feira no norte da província litorânea síria de Latakia, disse nesta terça-feira, 20, o diretor do Observatório Sírio de Direitos Humanos (OSDH), Rami Abdul Rahman. Por telefone, Abdul Rahman explicou que entre os mortos há civis e combatentes rebeldes.

A força aérea russa teve como alvo várias localidades e quartéis dos insurgentes na zona de Jabal al-Akrad, na parte setentrional de Latakia - um dos principais redutos do regime de Bashar Assad. Na cidade vive grande parte da minoria alauita, credo ao qual pertence o presidente sírio.

Desde 8 de outubro, o norte da província, onde estão presentes várias facções rebeldes de tendência islâmica, é alvo de uma ofensiva do Exército, que conta com a colaboração da aviação russa.

Por outro lado, o OSDH acrescentou que aviões de guerra, cuja origem não foi determinada, atacaram os povoados de Telbise, Ganto, Al Dar al Kabira e Tir Maleh, no norte da província central de Homs, onde as autoridades sírias também desenvolvem uma ofensiva.

No sábado, segundo a agência de notícias oficial síria "Sana", o exército sírio havia matado 300 "terroristas" na mesma província.

A agência, que citou uma fonte militar, disse que os soldados, em colaboração com as Forças de Defesa Nacional - milícias pró-governo -, realizaram uma série de operações contra posições terroristas nas áreas de Salma e Yeb al-Ahmar, no norte da província.

A Rússia iniciou uma campanha de bombardeios em 30 de setembro na sua primeira intervenção militar no conflito na Síria desde o começo do confronto, em março de 2011. / EFE

Mais conteúdo sobre:
Síria Bashar Assad Latakia Rússia

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.