Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Bombardeio do governo sírio mata ao menos 42 civis, diz grupo opositor

Bombardeio do governo sírio mata ao menos 42 civis, diz grupo opositor

Observatório Sírio para os Direitos Humanos afirmou que ataques ocorreram em terreno controlado por rebeldes

O Estado de S. Paulo

22 de setembro de 2014 | 12h04

BEIRUTE - Pelo menos 42 civis, entre eles mulheres e crianças, foram mortos em ataques aéreos do governo sírio em território controlado pelos rebeldes no noroeste do país, disse nesta segunda-feira, 22, um grupo opositor de monitoramento do conflito.

Os ataques atingiram território em torno das cidades de Saraqeb e Ehsim, na província de Idlib, no domingo, segundo o Observatório Sírio para os Direitos Humanos, grupo com sede na Grã-Bretanha.

Um dos bombardeios ocorreu em uma área no entorno de Saraqeb onde se abrigavam pessoas que tinham fugido de ataques anteriores à cidade, disse o Observatório. Não ficou claro de imediato qual seria o alvo dos militares, mas um ativista na região disse que não havia combatentes rebeldes perto das posições atingidas.

O Observatório, que monitora a violência por meio de uma rede de fontes na Síria, disse que pelo menos 16 crianças e 11 mulheres estavam entre os mortos. Ao menos 17 pessoas de uma família foram mortas, acrescentou.

O ativista em Saraqeb afirmou que as pessoas tinham fugido para áreas agrícolas para escapar do bombardeio, mas no domingo os aviões também atacaram fazendas "lotadas de famílias". "Isso é o que provocou o elevado número de mortes."

Segundo o Observatório, o número de mortos dos ataques deve subir porque muitas pessoas estão em estado grave. / REUTERS

Tudo o que sabemos sobre:
SíriaIdlib

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.