Bombardeio em subúrbio de Damasco deixa 9 mortos

Caças sírios bombardearam neste domingo o subúrbio de Damasco em uma ofensiva do governo para expulsar os rebeldes de áreas estratégicas ao redor da capital síria, disseram ativistas. O Observatório Sírio para Direitos Humanos, com sede no Reino Unido, informou que as aeronaves atingiam cidades e vilarejos ao redor de Damasco, incluindo Kfar Batna e Gesereen. Outras áreas eram alvejadas com artilharia e morteiros. Pelo menos nove pessoas foram mortas depois que uma bomba explodiu no distrito de Ghouta, segundo a entidade.

AE-AP, Agência Estado

13 de janeiro de 2013 | 15h05

Também neste domingo, a mídia turca informou que os caças de Bashar al-Assad bombardearam a cidade de Azaz, perto da fronteira com a Turquia. Pelo menos 34 sírios feridos nos ataques aéreos foram levados para província turca de Kilis para tratamento, disse a agência estatal de notícias Anadolu. Sete deles não resistiram aos ferimentos e morreram, de acordo com a mídia turca.

O Observatório revelou ainda que as tropas de Assad combatiam rebeldes no subúrbio de Daraya, um dia após autoridades do governo terem afirmado que o exército havia tomado o controle da maior parte da área, situada perto de uma base aérea militar no sudoeste da capital síria.

No norte da Síria, forças do governo também disputavam com rebeldes uma base aérea e o aeroporto internacional da cidade de Aleppo. As tropas sírias intensificaram as ofensivas desde novembro para recuperar Daraya, cuja população era de cerca de 200 mil pessoas antes do confronto.

Milhares de sírios fugiram da implacável violência que tomou conta do país. Pelo menos 500 mil se deslocaram para países vizinhos, como Turquia, Líbano e Jordânia.

O diretor do Observatório Sírio para Direitos Humanos, Rami Abdul-Rahman, afirmou que as tropas de Assad agora controlam mais de metade dos subúrbios, um reduto de rebeldes desde o início do levante popular contra o regime, em março de 2011.

Por causa de sua localização estratégica, o controle de Daraya pelos rebeldes representa uma ameaça particularmente grave à capital.

Tudo o que sabemos sobre:
Síriaconfrontos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.