Bombardeio mata pelo menos 15 pessoas na Síria

Aviões militares do governo da Síria bombardearam áreas controladas por rebeldes no norte da cidade de Alepo, matando pelo menos 15 pessoas, disseram ativistas sírios neste sábado. Em Homs, o rompimento de uma trégua entre tropas de Bashar Assad e combatentes da oposição interrompeu a entrega de auxílio humanitário em áreas sitiadas.

AE, Agência Estado

08 de fevereiro de 2014 | 09h20

Pelo menos cinco bombas explodiram em estradas nas áreas de Masaken Hanano e Haidariyeh, afirmou Mohammed Wissam, do Centro de Mídia de Alepo. Coletivos ativistas e os Comitês de Coordenação Locais também relataram os bombardeios. Wissam disse que quatro pessoas foram mortas em Masaken Hanano e outras 11 em Haidariyeh.

Imagens em vídeo de um dos bombardeios mostram uma explosão seguida de uma coluna de fumaça, pessoas fugindo do prédio danificado e a retirada de corpos dos destroços. As imagens correspondem aos registros em vídeo feitos pela Associated Press no local posteriormente.

Forças sírias têm bombardeado áreas controladas por rebeldes em Alepo, tentando retomar o controle total sobre a cidade após alguns pontos terem sido conquistados pela oposição na metade de 2012.

Também neste sábado o Observatório Sírio para os Direitos Humanos, grupo de oposição sediado na Grã-Bretanha, informou 16 mortes, incluindo cinco crianças e uma mulher, em uma área controlada pelo governo em Alepo. O incidente teria ocorrido na sexta-feira, conforme o observatório, que recebe relatos de uma rede de ativistas em território sírio. Rebeldes armados muitas vezes disparam morteiros e outros explosivos na direção de bairros controlados pelas forças de Bashar Assad.

Em Homs, a trégua de três dias entre rebeldes e o governo, que permitiria evacuação de civis e entrega de alimentos, foi rompida neste sábado. Um ativista de Homs que se identificou como Samer al-Homsy disse que as forças do governo sírio dispararam 11 foguetes na direção da área de Hamidiyeh, controlada pelos rebeldes, interrompendo o transporte de suprimentos. Já o governador de Homs, Talal Barazzi, disse que rebeldes dispararam morteiros contra uma delegacia de polícia na região, em entrevista à agência de notícias estatal síria SANA. Na sexta-feira, 83 crianças, mulheres e idosos em cadeiras de rodas haviam sido retirados de bairros sitiados em Homs, de acordo com números emitidos pela Organização das Nações Unidas (ONU). Fonte: Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
síriaviolênciabombardeio

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.