CHRISTIAN ESCOBAR MORA/EFE
CHRISTIAN ESCOBAR MORA/EFE

Bombardeio mata um dos líderes das Farc no oeste da Colômbia

Ataque da Força Aérea matou Román Ruiz, chefe da Frente 18 da guerrilha no Departamento de Chocó, e outros 4 guerrilheiros

O Estado de S. Paulo

26 de maio de 2015 | 09h55

BOGOTÁ - O chefe da frente 18 das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), Alfredo Alarcón Machado, conhecido como "Román Ruiz", morreu na noite de segunda-feira, 26, em um bombardeio da força aérea no Departamento (Estado) do Chocó. 

Segundo fontes militares, informações preliminares do ataque das Forças Armadas indicam que há cinco guerrilheiros mortos, entre eles Román Ruiz.

De acordo com a imprensa local, Ruiz é considerado o braço direito de Félix Antonio Muñoz Lascarro, conhecido como "Pastor Alape", um dos negociadores das Farc nas negociações de paz que a guerrilha mantém com o governo desde novembro de 2012 meses em Cuba.

Este é o terceiro golpe dado pelas Forças Armadas da Colômbia contra as Farc nos últimos cinco dias, nos quais três bombardeios da Força Aérea mataram quase 40 membros das Farc.

Na quinta-feira passada, pelo menos 26 integrantes das Farc morreram em um bombardeio em Guapi, no Departamento de Cauca (sudoeste), e no sábado outros 8 foram mortos em um ataque similar em Segóvia (Antioquia, noroeste), aos quais se somam os cinco de hoje.

O Departamento do Chocó, onde aconteceu a nova operação militar, é uma região agreste e selvática na qual as Farc e o Exército de Libertação Nacional (ELN), a segunda maior guerrilha do país, têm uma forte presença.

Nesse Departamento, as Farc sequestraram em novembro de 2014 o general Rubén Darío Alzate junto com o cabo Jorge Rodríguez e a advogada Gloria Urrego.

O sequestro de Alzate paralisou temporariamente as negociações de paz, que só foram retomadas quando o general foi libertado junto com Rodríguez e Urrego. / EFE

Tudo o que sabemos sobre:
ColômbiaFarc

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.