AP Photo/Abdoo Alkarim Alayashy
AP Photo/Abdoo Alkarim Alayashy

Bombardeio saudita mata 60 em centro penitenciário no Iêmen

Coalizão liderada por Riad combate xiitas que tomaram grande parte do território iemenita em uma ofensiva em 2014

O Estado de S. Paulo

30 Outubro 2016 | 19h24

SANAA, IÊMEN - Aviões de combate da coalizão liderada pela Arábia Saudita bombardearam um complexo de segurança nas cercanias da cidade portuária de Hodeidah, no Iêmen, matando 60 pessoas, incluindo presidiários mantidos no local, disseram neste domingo, 30, uma autoridade regional, parentes e fontes médicas.

A prisão no bairro de Al-Zaydiyah mantinha 84 presidiários quando foi atingida três vezes no fim de sábado, disse à Reuters Hashem al-Azizi, vice-governador da província de Hodeidah, controlada por rebeldes xiitas houthis.

Autoridades locais disseram que o local pertence a um complexo de segurança para a área guardada por milicianos houthis, mas que apenas guardas de segurança da prisão estavam presentes nas patrulhas durante o ataque aéreo, realizado à noite.

A coalizão liderada por sauditas tem combatido o movimento armado dos houthis no Iêmen desde março de 2015 para tentar restabelecer o presidente Abd Mansour Hadi, reconhecido internacionalmente, que foi forçado ao exílio pelo grupo aliado do Irã no fim de 2014, quando os combatentes xiitas tomaram a capital, Sanaa.

O grupo liderado por Riad para combater os houthis é integrado por forças sauditas, e outros nove países da região. A coalizão também conta com o apoio de Estados Unidos, França, Reino Unido, Canadá e Turquia.

Uma testemunha afirmou à Reuters no complexo de segurança que todo o prédio foi destruído e médicos removeram cerca de 17 corpos, muitos dos quais com membros amputados, enquanto outros permaneceram presos por baixo dos destroços.

Um dos ataques alvejou diretamente o prédio, acrescentou a testemunha, derrubando o edifício sobre as cabeças dos prisioneiros, enquanto outros dois bombardeios atingiram o portão do complexo e prédios próximos da administração. A coalizão não se manifestou oficialmente sobre os ataques da noite de sábado.

O bombardeio foi um dos mais mortais entre os milhares de bombardeios que têm falhado amplamente em desalojar os houthis da capital, mas já atingiram repetidamente escolas, mercados, hospitais e casas, levando à morte de muitos civis. / REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.