Bombardeios deixam 63 mortos na Síria, diz ONG

Grupo opositor ao regime de Bashar Assad relatou conflitos em vários locais do país durante a visita de Kofi Annan neste sábado

Efe

10 de março de 2012 | 17h43

Ao menos 63 pessoas morreram vítimas da repressão do regime de Bashar Assad em diversos pontos da Síria neste sábado, 10, onde o enviado conjunto da ONU e da Liga Árabe, Kofi Annan, se reuniu com o presidente do país.

 

O grupo opositor Comitês de Coordenação Local afirmou que a maioria das vítimas foi registrada na província Idib, onde ao menos 46 pessoas morreram - 16 em uma emboscada das forças leais ao regime. O grupo afirmou também que oito pessoas morreram em Deraa, cinco em Homs, três na periferia de Damasco e uma em Deir Zur.

 

Os rebeldes do Exército Livre Sírio anunciaram neste sábado que haviam derrubado um helicóptero militar e destruído dois tanques das forças armadas no norte de Idib.

 

É a primeira visita de Kofi Annan à Síria desde que ocupou o cargo de enviado da ONU e da Liga Árabe para o país, no final de fevereiro. Durante seu encontro com Assad, o presidente sírio lhe disse que nenhum diálogo político pode ter êxito enquanto houver grupos terroristas em ação no país.

 

Mais de 7,5 mil pessoas já morreram na Síria desde o início dos protestos, há um ano, segundo dados da ONU. Os grupos opositores ao governo calculam que este número ultrapasse 8,5 mil mortos.

 

 

Tudo o que sabemos sobre:
primavera arabesiriakofi annanassad

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.