Bombas caseiras explodem na praça Tahrir, na capital do Egito

Jovens não-identificados atiraram nesta terça-feira bombas incendiárias caseiras na praça Tahrir, no Cairo, mostraram imagens de TV, no segundo e último dia da etapa inicial da primeira eleição parlamentar no Egito desde a queda do presidente Hosni Mubarak.

REUTERS

29 de novembro de 2011 | 19h47

A praça - que foi o epicentro dos protestos que derrubaram Mubarak, em fevereiro - atualmente concentra manifestantes que exigem o fim imediato do regime militar e a implantação de um governo civil.

Mohammed al-Saeed, porta-voz de um dos grupos que organizam o protesto, disse à TV estatal que jovens sem identificação haviam tentado entrar na praça, mas se depararam com comitês de segurança compostos por voluntários, que têm a missão de "proteger as pessoas e famílias" no local.

Não ficou claro quem atirou as bombas incendiárias e qual era a sua motivação, mas a TV estatal disse que o confronto envolveu camelôs.

Vendedores ambulantes já haviam se envolvido em uma confusão horas antes na praça, obrigando os paramédicos de plantão a intervir. Alguns envolvidos na briga agitavam pedaços de paus, e as barracas de alguns camelôs foram danificadas.

O atual protesto na praça Tahrir já dura 11 dias, no período mais volátil para o Egito desde a queda de Mubarak. Pelo menos 42 pessoas já morreram.

Os manifestantes acusam a junta militar que substituiu Mubarak de tentar manipular o processo político a fim de preservar seu poder e seus privilégios. Os generais prometem transferir o poder a um presidente eleito em meados de 2012.

A TV mostrou várias bombas caseiras voando sobre a praça, iluminando o céu noturno e explodindo ao cair na rua adjacente ao Museu Egípcio, perto do acampamento dos manifestantes. Não há relatos imediatos sobre feridos, e outros detalhes sobre o incidente ainda não estavam disponíveis.

(Reportagem de Reuters TV, Dina Zayed, Ali Abdelatti e Peter Millership)

Tudo o que sabemos sobre:
EGITOBOMBATAHRIR*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.