Bombas contra igrejas no Paquistão matam 14 e ferem 78

Bombas do lado de fora de duas igrejas na cidade paquistanesa de Lahore mataram 14 pessoas e feriram quase 80 neste domingo, e testemunhas afirmaram que a ação rápida de um guarda de segurança evitou muitas outras mortes.

REUTERS

15 Março 2015 | 11h12

Um grupo paquistanês que deixara o Taliban assumiu a responsabilidade.

Militantes islâmicos no Paquistão têm atacado cristãos e outras minorias religiosas por uma década ou mais.

Muitos cristãos, grupo que representa menos de dois por cento da população de mais de 180 milhões do Paquistão, acusam o governo de fazer pouco para protegê-los, dizendo que políticos são rápidos para oferecer os pêsames após um ataque, mas lentos para melhorar a segurança.

As explosões deste domingo ocorreram com intervalo de minutos entre uma e outra num subúrbio de maioria cristã no leste da cidade. A polícia disse que parecia que os ataques eram contra duas igrejas, uma católica e outra protestante, uma muito perto da outra.

O papa Francisco disse a uma multidão na Praça São Pedro que ele sentia “grande dor” por conta dos ataques a bomba.

"Essas são igrejas cristãs. Os cristãos são perseguidos, sangue dos nossos irmãos é derramado simplesmente porque eles são cristãos”, disse o papa.

(Por Mubasher Bukhari)

Mais conteúdo sobre:
PAQUISTAO BOMBAS MORTOS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.