Bombas deixam cinco mortos em Bagdá

Duas bombas atingiram nesta terça-feira dois alvos xiitas em áreas diferentes de Bagdá, matando cinco pessoas, um dia depois que dois carros-bomba que explodiram em meio às barracas de um mercado lotado de xiitas deixou 88 mortos - o ataque mais sangrento em dois meses.O Exército também divulgou a morte de mais dois soldados americanos, incluindo um fuzileiro que morreu no domingo dos ferimentos recebidos nos combates ao sul de Bagdá, elevando para 28 o saldo de mortos do final de semana, num momento em que aumenta o número de vítimas americanas, antes da operação de segurança a ser lançada pelos EUA em parceria com o Iraque. Um soldado americano também foi morto na segunda-feira na província de Anbar, a oeste da capital, afirmaram os militares. A primeira explosão aconteceu na terça-feira, quando um carro-bomba estacionado explodiu por volta das 9 horas (horário local), perto do Ministério da Fazenda, liderado por Bayan Jabr, um xiita e ex-ministro do Interior. Um civil foi morto e quatro pessoas ficaram feridas, incluindo um segurança do ministério, afirmou a polícia.Uma bomba deixada sob um automóvel explodiu cerca de 45 minutos mais tarde, no distrito predominantemente xiita de Karradah, no centro de Bagdá, deixando quatro mortos, incluindo uma mulher e um menino de sete anos, e deixando sete feridos. A explosão destruiu parte do muro do edifício, deixando um apartamento térreo sem parede e uma massa de ruínas e destroços de carros no corredor. Os ataques atingiram os xiitas durante um de seus festivais mais sagrados e foram os últimos de uma nova campanha da violência rebelde sunita, antes da operação entre os EUA e o Iraque. Os primeiros dos 21 mil soldados extras que os EUA prometeram enviar para ajudar a conter a violência começaram a chegar a Bagdá. Ao todo, foram mortas ou encontradas mortas 137 pessoas no Iraque, só na segunda-feira, 22. Neste total estão incluídas as 12 pessoas que morreram quando uma bomba e um foguete atingiram um mercado na cidade de Khalis, predominantemente xiita, que fica a 50 quilômetros ao norte de Bagdá.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.