Bombas e escândalo marcam chegada de Obama à Cúpula das Américas na Colômbia

Pequenos explosivos foram depositados perto de embaixada dos EUA; agentes secretos são retirados do país.

BBC Brasil, BBC

14 de abril de 2012 | 09h12

Duas bombas pequenas explodiram na capital colombiana, Bogotá, próximo à embaixada americana no país, pouco após a chegada do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama.

Obama e chefes de Estado de 33 países, entre eles a presidente Dilma Rousseff, estão na Colômbia para participar da sexta edição da Cúpula das Américas.

Não houve feridos nas explosões. A polícia disse que outra bomba pequena explodiu na cidade de Cartagena de Índias, que sedia a Cúpula.

Em Bogotá, os explosivos foram colocados em uma vala numa região residencial situada perto da embaixada dos Estados Unidos e da sede da procuradoria geral da Colômbia.

A polícia afirma que as duas bombas possam ter sido um ato de protesto por grupos de guerrilha esquerdistas do país.

A Colômbia vem se recuperando de uma onda de violência envolvendo grupos guerrilheiros e cartéis de narcotráfico que deixou milhares de mortos.

O governo da Colômbia impôs derrotas expressivas a grupos guerrilheiros, como as Farcs (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia), que se viu acuada e perdeu boa parte de seu poder de combate, mas o grupo ainda permanece em atividade.

Escândalo

Um outro tema por pouco não ofuscou a presença do presidente Barack Obama na Colômbia para a reunião de líderes das Américas: um escândalo envolvendo agentes do Serviço Secreto americano escalados para fazer a segurança do líder dos Estados Unidos.

Edwin Donovan, um porta-voz do Serviço Secreto dos Estados, informou que um grupo de agentes está sendo investigado e que eles foram retirados da Colômbia e substituídos por outros profissionais.

O Serviço Secreto não deu detalhes sobre quais teriam sido os deslizes de conduta dos oficiais de segurança, mas há relatos de imprensa de que ao menos um dos agentes teriam se envolvido com prostitutas.

Um funcionário do Serviço Secreto que não quis se identificar disse que ao todo 12 agentes estão sendo investigados.

A imprensa colombiana informou que a presença das autoridades de diferentes nações do continente em Cartagena fez com que o governo local tomasse uma série de medidas para ''limpar as ruas'' da cidade.

Entre as ações adotadas houve a proibição da prostituição nas ruas de certas partes da cidade e a retirada de moradores de rua, vendedores ambulantes e cães vira-lata.

O escândalo também teve impacto nas redes sociais. Em questão de uma hora após terem vindo à tona as denúncias, o hashgtag #secretservicepickuplines (cantadas de segurança) se converteu em um tema popular no microblog Twitter. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.