Bombas explodem durante greve na Argentina

A greve na Argentina tem sido marcada pela violência de piquetes, bombas, incêndios, interrupção do trânsito e muito barulho. A polícia prendeu alguns manifestantes que tentavam impedir que motoristas de ônibus trabalhassem. Em Mendoza, duas bombas explodiram sem deixar feridos; uma em frente ao escritório da empresa Telefônica e outra num jardim maternal, localizado no centro da cidade.A greve foi convocada pelo caminhoneiro Hugo Moyano, da CGT dissidente, que recebeu a adesão da CTA (Central de Trabalhadores Argentinos), liderada por Víctor De Gennaro. Eles protestam contra o modelo econômico e social. É a quinta greve enfrentada pelo presidente Fernando De la Rúa. O movimento afeta todo o transporte, a coleta de lixo, escolas, bancos e alguns órgãos do governo. O trânsito em Buenos Aires está caótico.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.