Bombas incendiárias deixadas em ônibus fazem 25 feridos em Bogotá

As explosões causadas por bombas incendiárias deixadas em dois ônibus de Bogotá feriram 25 pessoas, cinco delas gravemente, disse o prefeito da capital colombiana, Luis Eduardo Garzón. O prefeito não descarta que os autores dos atentados tenham sido as milícias urbanas ligadas à guerrilha das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc). Garzón anunciou a ampliação das medidas de segurança depois das duas explosões nos ônibus urbanos que circulavam por áreas populares de Bogotá. Os incidentes ocorreram em dois dos ônibus auxiliares conhecidos como "alimentadores", que transportam passageiros de rotas secundárias rumo às linhas principais de ônibus articulados "Transmilênio". A primeira explosão ocorreu no bairro Inglês, onde pelo menos seis pessoas ficaram feridas, entre elas cinco crianças. Depois, foi registrada outra detonação no bairro La Florida. Paralelamente, o presidente da Colômbia, Álvaro Uribe, disse que o Executivo apoiará as medidas adotadas pelas autoridades da capital para enfrentar a "ameaça terrorista".

Agencia Estado,

07 Abril 2006 | 02h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.