Bombas matam 12 civis no Afeganistão em 24 horas

Doze civis afegãos morreram nas últimas 24 horas em razão da explosão de bombas colocadas à beira de estradas, afirmaram hoje funcionários locais. Os artefatos caseiros, armados em rodovias ou perto de prédios do governo, tornaram-se uma perigosa arma no Afeganistão, no momento em que o Taleban e outros grupos militantes utilizam táticas de guerrilha para combater as forças afegãs e internacionais.

AE-AP, Agencia Estado

23 de setembro de 2009 | 10h43

As bombas geralmente têm como alvo os militares. No entanto, civis são vítimas frequentes. Nesta manhã, na província de Kandahar, no sul do país, uma família de sete pessoas, incluindo duas crianças, morreu quando o veículo em que estavam foi atingido por uma bomba no distrito Panjwayi, segundo um porta-voz do governador.

Outra explosão na tarde de ontem matou cinco pessoas na província de Farah, no oeste do país, segundo um porta-voz da polícia para a região. Eles viajavam em uma van para a vizinha província de Ghor quando houve a explosão. Mais oito pessoas que estavam no veículo ficaram feridas.

Um relatório das Nações Unidas afirma que 1.013 civis foram mortos na primeira metade de 2009 no país, um aumento de 24% em comparação com o mesmo período do ano anterior. Mais da metade dos mortos, ou 60%, morreram em ataques de militantes. Ataques aéreos das forças internacionais também causaram vítimas.

Tudo o que sabemos sobre:
Afeganistãobombascivis

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.