Bombas matam 15 em área comercial de Bagdá

Duas bombas instaladas em automóveis mataram 15 pessoas em uma área xiita de Bagdá neste sábado, no último de uma série de ataques de militantes a áreas comerciais na capital iraquiana. Explosões ao longo da semana trouxeram mais desordem à vida em Bagdá, espalhando o medo pela cidade de 7 milhões de habitantes, que aguarda uma ofensiva apoiada pelos Estados Unidos para fortalecer o controle do governo sobre sua capital.Os ataques deste sábado ocorreram em Nova Bagdá, no leste da capital, e tiveram como alvo pessoas que faziam compras em lojas e em barracas de frutas.Um jornalista da agência Reuters viu oito cadáveres sendo levados em ambulâncias e partes de corpos largadas na rua, momentos depois das explosões. Pássaros mortos permaneciam jogados em gaiolas em uma área que parecia reservada a um mercado de animais. Vários carros estavam em chamas. A polícia informou que 15 pessoas foram mortas e 55, feridas, nas explosões em um cruzamento de ruas.Um policial disse que as duas explosões foram resultado de ataques suicidas em carros, mas outro oficial afirmou que houve um ataque suicida e a detonação de um carro estacionado.No pior ataque desta semana, 88 pessoas foram mortas em duas explosões de carros no mercado de Bab al-Sharji, no centro de Bagdá, área de comerciantes sunitas e xiitas.Outra bomba atingiu um área comercial xiita no distrito central de Karrada na quinta-feira, matando 26 pessoas e, na sexta-feira, 15 pessoas morreram em um ataque ao famoso mercado de animais da cidade.O primeiro-ministro xiita Nouri al-Maliki responsabilizou militantes sunitas e apoiadores do ex-presidente Saddam Hussein - cuja execução no mês passado revoltou muitos membros da minoria sunita - por muitos dos ataques.Forças norte-americanas mataram 14 insurgentes em um ataque aéreo, na manhã de sábado, em uma área perto de Bagdá, onde insurgentes sunitas lutam contra o governo iraquiano e tropas dos Estados Unidos.Militares dos EUA disseram que o ataque ocorreu depois que alguns militantes tentaram escapar de um cerco de tropas.Apesar do anúncio de Maliki, no início deste mês, de uma nova ofensiva para retomar o controle das ruas de Bagdá de pelotões sectários, a violência permanece, com militantes matando várias pessoas todas as semanas.Este texto foi alterado às 11h38 para acréscimo de informações

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.