Bombas matam 16 e ferem 150 no Paquistão

Ataques ocorrem após Taleban advertir revidar a partir do avanço de tropas na região

Associated Press, Reuters e Efe

26 de setembro de 2009 | 04h51

Dois carros-bomba suicidas mataram 16 pessoas e feriram outras 150 em ataques separados no noroeste do Paquistão neste sábado, 26. Uma terceira bomba feriu quatro na nervosa região.

 

Em Peshawar, 10 pessoas foram mortas e 79 ficaram feriadas, disse Sahibzada Mohammed Anis, um oficial do governoA  potente explosão  de um carro bomba foi ativada mediante controle remoto, explicou à Efe uma fonte policial.

 

 

 

 

Policiais e residentes locais perto de Bannu, um dos locais atingidos por ataques

 

 

A detonação da bomba, com cerca de 100 quilogramas de carga explosiva, causou graves danos em vários edifícios e destruiu dezenas de carros.

 

 

Os feridos foram transferidos para hospitais locais nas proximidades e as forças de segurança agem no local, com a prisão de suspeitos.

 

Os ataques separatistas acontecem poucos dias após o Taleban advertir sobre mais atentados que devem acontecer se os militares prosseguirem com a ofensiva militar.

 

 

 

 

Homens carregam vítima de ataque por bomba em Peshawar

 

  

Poucas horas antes deste ataque, um atentado suicida executado pela insurgência taleban contra uma comissão na fronteira de Bannu acabou com a vida de ao menos seis pessoas, a maioria policiais, e casou ferimentos a 70, segundo uma fonte policial citada pelo canal privado Geo TV.  

 

 

O Taleban reivindica a responsabilidade pelo ataque. Entre os feridos, há muitas crianças.

 

Uma terceira bomba explodiu na cidade do noroeste de Gilgit, ferindo quatro pessoas, disse o canal de notícias local SAMA.

 

 

O presidente Asif Ali Zardari, que está em Nova York na Assembleia Geral das Nações Unidas, condenou os dois ataques e disse que o "terrorismo e o extremismo deverão ser erradicados do país com toda a força".

 

 

Texto alterado às 6h45 para atualizações

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.