Bombas matam 4 e ferem 65 na Índia

Polícia atribui três dos atentados ao grupo Frente Unida para a Libertação de Assam

Agencia Estado

02 Julho 2007 | 09h53

Quatro pessoas morreram e 65 ficaram feridas devido à explosão de quatro bombas em dois distritos do nordeste da Índia, informou neste domingo o canal "NDTV". Três das bombas explodiram no sábado no distrito de Tinsukia com um intervalo de 15 minutos, deixando três pessoas mortas e 45 feridas. O primeiro artefato, oculto em uma panela de pressão, explodiu às 17h01 hora local (8h31 em Brasília) no principal mercado de peixes da cidade, e causou a morte a uma pessoa e ferimentos em outras 20, inclusive quatro policiais. A segunda bomba estava amarrada a uma bicicleta estacionada no Bazar Daily. A explosão, quatro minutos depois, matou uma pessoa e deixou 15 feridos. Quatorze minutos depois da primeira explosão, outra bomba explodiu na aldeia de Doomdooma, no mesmo distrito, causando dez feridos, um dos quais morreu a caminho ao hospital. Quatro dos feridos, segundo uma fonte oficial citada pela agência indiana "PTI", estão em estado "muito grave" no hospital. Enquanto isso, no distrito montanhoso de Karbi Anglong, uma mulher morreu e 21 pessoas ficaram feridas quando uma bomba explodiu em um hotel próximo ao templo do deus macaco Hanuman, na cidade de Diphu, quase duas horas depois da primeira explosão. A Polícia ainda investiga a autoria deste último ataque, mas já atribui as três primeiras explosões à Frente Unida para a Libertação de Assam (ULFA+, o principal dos 20 grupos que lutam pela autonomia ou independência das regiões do nordeste indiano. A violência em Assam tem aumentado desde setembro do ano passado, quando foi rompido o diálogo entre o Governo e o ULFA depois que ambas as partes se acusaram mutuamente de não respeitar compromissos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.