Bombas matam pelo menos 27 pessoas em Bagdá

Uma série de bombas, três delas detonadas em um intervalo de apenas dez minutos, deixaram pelo menos 27 mortos em Bagdá neste sábado, abalando a frágil sensação de segurança que a capital do Iraque mantinha apesar da ofensiva de forças radicais sunitas no norte e no oeste do país.

AE-AP, Agência Estado

19 Julho 2014 | 16h28

Em Sulaimaniyah, no norte do Iraque, o presidente Jalal Talabani apareceu no país pela primeira vez desde que viajou à Alemanha para buscar tratamento médico depois de um acidente vascular cerebral no fim de 2012. Sulaimaniyah fica na região autônoma do Curdistão. Talabani, cujo segundo mandato como presidente do Iraque está para terminar, é curdo.

Os ataques deste sábado em Bagdá foram os mais sérios desde que o grupo extremista sunita Estado Islâmico capturou Mosul, a segunda maior cidade do Iraque, no mês passado. Depois da queda de Mosul, o governo iraquiano tomou medidas agressivas para garantir a segurança de Bagdá, em meio ao temor de que os rebeldes tentassem tomá-la; poucos atentados a bomba aconteceram ali nas últimas semanas.

No bairro predominantemente xiita de Abu Dashir, um terrorista suicida lançou um carro cheio de explosivos contra um posto de controle policial, matando pelo menos nove pessoas e ferindo 19, de acordo com um oficial da polícia. Mais tarde, três carros-bombas explodiram em pontos diferentes da capital, os bairros de Baiyaa, Jihad e Khazimiyah. Segundo a polícia, esses ataques deixaram pelo menos 15 mortos e 42 feridos. Outro carro-bomba explodiu diante de um ponto de ônibus em Khazimiyah, deixando três mortos e 15 feridos.

Funcionários de hospitais confirmaram os números de vítimas em todos os casos. Fonte: Associated Press.

Mais conteúdo sobre:
Iraqueviolência

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.